segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Descubra as diferenças — Cais do Pico


Apresentam-se de seguida duas imagens do mesmo local, mas com uma diferença de 50 anos: a primeira é referente a um postal da frente marítima do Cais do Pico na década de 60 do século passado, enquanto a segunda é uma fotografia do mesmo sítio na atualidade.

Fonte: História dos Açores


Torna-se interessante analisar as diferenças entre as imagens, bem como o que se mantém igual, permitindo assim identificar como a evolução dos tempos afetou a paisagem do coração da vila de São Roque do Pico.
  • Começando da esquerda para a direita, onde antigamente era a estação dos Correios, hoje é uma intuição bancária (Montepio), salientando-se ainda que as fachadas dos edifícios mantêm-se praticamente inalteradas.
  • A estrada continua sendo de calçada, tal como os passeios, os quais continuam a ter os mesmos motivos desenhados com pedras brancas no meio de pedra escura.
  • A iluminação pública curiosamente não mudou de lugar, apenas de aparência, embora mantenha os mesmos dois pontos de iluminação perpendiculares à estrada.
  • Onde antigamente varavam os barcos (lancha "Gamo" em primeiro plano e a "Zeus" em segundo), agora estacionam carros.
  • A paragem do autocarro não mudou de lugar, embora atualmente seja muitas vezes ocupada por carros particulares.
  • Ao fundo, à direita, é onde se encontram as maiores diferenças, como, por exemplo, uma estação base de comunicações móveis (vulgo antena de telemóveis) que passou a fazer parte da paisagem (o que também mostra que muitas evoluções tecnológicas implicam algum impacto visual).
  • A "Fábrica da Baleia" ainda lá está, mas fechou como unidade fabril e transformou-se no Museu da Indústria Baleeira.
  • No passado, à direita da "Fábrica da Baleia", apenas existia a ponta da laje e o mar; hoje em dia, existe o Clube Naval de São Roque do Pico, um parque de contentores, um porto de pescas e (embora não incluído na foto mais recente) o Porto do Cais do Pico, o principal porto comercial da ilha montanha.

Se mudou muito ou pouco em 50 anos, isso fica ao critério de cada um. Se irá mudar muito mais no próximo meio século, só o tempo saberá dar essa resposta. Contudo, o D. Dinis poderá ser um indicador: ele mantém o seu olhar permanente em direção à ilha de São Jorge, sobre o antigo cais (não presente nas imagens), o qual agora é conhecido como "cais velho", devido à construção do porto comercial; daqui a alguns anos, quiçá, ele manterá o mesmo olhar sobre o "cais velho" e sobre o "porto velho", se entretanto vier a ser construído o novo porto de passageiros...

Haja saúde!

[Post relacionado: Rua do Cais do Pico na década de 60 do século passado]

Sem comentários:

Publicar um comentário

Para evitar perder a ideia do comentário, sugere-se que escreva primeiro o mesmo num editor de texto e depois copie para aqui; assim, se ocorrer algum erro (por vezes não funciona à primeira), tem sempre cópia do seu texto.

Muito obrigado por comentar neste blog! Haja saúde!