quarta-feira, 23 de março de 2016

Regulamento de acesso à montanha do Pico

A montanha da ilha do Pico reúne uma série de curiosidades, destacando-se as seguintes:
Não só por estas razões, mas sobretudo pelas paisagens de tirar a respiração, a subida ao cimo da montanha do Pico tem tido uma crescente procura nos últimos anos, registando-se, em 2016, um valor recorde de 12.317 pessoas que escalaram esta montanha.

O mais recente Regulamento de acesso à Reserva Natural da Montanha do Pico (publicado na portaria n.º 29/2016, de 22 de março, e que entrou em vigor a 1 de maio de 2016) veio estabelecer as regras e taxas para todos aqueles que pretendem alcançar o ponto mais alto de Portugal. De seguida apresenta-se um resumo destas regras.

A subida tem início na Casa da Montanha, ponto de paragem obrigatório situado a cerca de 1.200 metros de altitude, sendo neste local disponibilizado informação sobre a geologia, biologia, história e clima da montanha do Pico, quer em painéis informativos, quer em formato de vídeo que pode ser visualizado no auditório. Adicionalmente, é na Casa da Montanha que é efetuado o registo e controlo das subidas, podendo, contudo, ser agendada, reservada e garantida a subida ao ponto mais alto de Portugal através do seguinte link: http://servicos-sraa.azores.gov.pt/gamp/

Existem três variantes na escalada da montanha do Pico, cada uma apresentando diferentes taxas:
  • Subida à Furna Abrigo (percurso mais pequeno, adequado aos visitantes que não pretendam ou não tenham condições de subir até ao cimo, possibilitando assim uma experiência na montanha) - taxa de 2,00 € por cada visitante (gratuito para os portadores do cartão "Amigo dos Parques");
  • Subida à cratera da montanha - taxa de 10,00 € por cada visitante que efetue a escalada de forma autónoma ou de 5,00 € caso seja acompanhado de um guia credenciado (os portadores do cartão "Amigo dos Parques" têm um desconto de 50%);
  • Subida ao Piquinho (implica subida à cratera e respetivas taxas, bem como apresenta a dificuldade mais elevada) - taxa extra de 2,00 € somente para os visitantes que estejam a fazer a escalada de forma autónoma.

Aos visitantes será fornecido equipamento de rastreio e prestada informação sobre o regulamento, as condições e duração média do percurso, as regras de comportamento e de segurança, a previsão meteorológica, e os termos e condições das operações de resgate.

O acesso à montanha é interdito a todos os visitantes que não possuam o equipamento adequado para efetuar o percurso.

Adicionalmente, é vedado o acesso a visitantes que se façam acompanhar de criança de colo, a visitantes que apresentem anomalia psíquica, ou sintomas de embriaguez ou de estarem sob o efeito de substâncias psicotrópicas.

Os visitantes com idade inferior a 16 anos devem ser acompanhados por titular do poder paternal ou de indivíduo maior de idade, devidamente autorizado por declaração escrita daquele.

Caso seja acionada uma operação de resgate, o custo da mesma poderá ser imputado ou ao visitante que efetue a escalada de forma autónoma ou ao guia credenciado, caso haja incumprimento do regulamento, incluindo o desrespeito pelas normas de segurança aplicáveis ao montanhismo e pelas normas de conduta na montanha do Pico, ou caso o resgate tenha sido solicitado sem justificação.

Para mais informações contacte a Casa da Montanha:
Horário de funcionamento:
  • De 1 de junho e 30 de setembro - todos os dias durante 24h;
  • De 1 a 31 de maio e de 1 a 15 de outubro - ininterruptamente das 8h de sexta-feira às 20h de domingo e nos restantes dias das 8h às 20h;
  • De 16 de outubro a 30 de abril - todos os dias das 8h às 18h.

Haja saúde!


Sem comentários:

Enviar um comentário

Para evitar perder a ideia do comentário, sugere-se que escreva primeiro o mesmo num editor de texto e depois copie para aqui; assim, se ocorrer algum erro (por vezes não funciona à primeira), tem sempre cópia do seu texto.

Muito obrigado por comentar neste blog! Haja saúde!