quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Almeida Firmino ainda existe?

Almeida Firmino deixou mais do que uma gabardine e um guarda-chuva quando adormeceu nas águas salgadas, junto ao moinho da Lapinha, em São Roque do Pico, na manhã de 14 de novembro de 1977. O poeta de "Ilha Maior", que não sendo picoense de berço deixou-se adotar pela ilha, quis aqui ter a sua sepultura. No ano do 40.º aniversário do seu falecimento, procuramos o seu legado e a memória que a ilha guardou de um dos seus maiores poetas.
É assim que se inicia um artigo publicado no jornal 'Açoriano Oriental' sobre Almeida Firmino, o poeta que conseguiu sentir as dores do ser ilhéu e elevou o Pico a "Ilha Maior" [link para reportagem completa].

Em sua homenagem, apresenta-se, em anexo, o seu poema "Ilha Maior".

Haja saúde!



Ilha Maior

Minha ilha sem bruma
Sem distância a percorrer
Onde o vento é o donatário
Único senhor e rei
Sem eu mesmo o saber.

Ilha Maior no sonho e na desgraça
Sempre a acenar a quem ao longo passa
Nos navios rumo ao Canadá e América.
Ancoradouro de aves, poetas e baleeiros,
Heróis sem nome, com um pé em terra e outro no mar,
Quantas vezes em vão a balear.

Negra, negra, negra e cativa
Ilha Maior, minha Ilha-Mãe adoptiva,
Maravilha de lava e altura!
El-rei Sebastião, o Desejado,
Veio um dia, nunca mais voltou.
E é aqui, cavada a seu lado,
Que eu quero ter a minha sepultura.

Almeida Firmino


Sem comentários:

Publicar um comentário

Para evitar perder a ideia do comentário, sugere-se que escreva primeiro o mesmo num editor de texto e depois copie para aqui; assim, se ocorrer algum erro (por vezes não funciona à primeira), tem sempre cópia do seu texto.

Muito obrigado por comentar neste blog! Haja saúde!