terça-feira, 17 de outubro de 2017

Subindo a Montanha do Pico, o ponto mais alto de Portugal

© Khalil Cruz
Tenho que confessar que nunca havia ouvido falar sobre os Açores. Até 14 de outubro de 2016. Naquela noite, o Globo Repórter exibiu uma excelente reportagem sobre esse arquipélago que fica a 1500 km a oeste de Lisboa. Além de toda a beleza da região, o programa mostrou a repórter Kíria Meurer subindo um vulcão ativo. – Opa, amigo, agora você acertou em cheio meu ponto fraco, você disse subir um vulcão ativo? 
Como nunca havia ouvido falar sobre esse paraíso? Sinceramente, não sei, tamanha é a diversidade de riquezas naturais. Vinhedos, águas termais, observação de baleias e golfinhos, vulcões, mirantes, flora exuberante, frutos do mar frescos, tudo isso a preços convidativos para o padrão europeu. Mas isso é conversa para outra prosa, porque hoje, minha missão é mostrar para vocês como foi a aventura de subir o ponto mais alto de Portugal.
Assim começa um artigo de Khalil Cruz (um brasileiro que se diz aficionado por viagens, apaixonado pela natureza e especialmente por vulcões), o qual descreve com palavras e imagens a sua aventura de subida ao cimo da montanha da ilha do Pico [link para o texto completo].

Por outro lado, é de realçar o efeito que uma magnífica reportagem brasileira sobre os Açores [link para a mesma] pode ter no público: criar o desejo de vir visitar as ilhas açorianas e concretizá-lo!

Haja saúde!

Sem comentários:

Publicar um comentário

Para evitar perder a ideia do comentário, sugere-se que escreva primeiro o mesmo num editor de texto e depois copie para aqui; assim, se ocorrer algum erro (por vezes não funciona à primeira), tem sempre cópia do seu texto.

Muito obrigado por comentar neste blog! Haja saúde!