terça-feira, 13 de junho de 2017

Pesca descarregada nos Açores em 2016


A pesca nos Açores remonta à colonização das ilhas e atualmente explora cerca de 80 das mais de 500 espécies marinhas que compõem o ecossistema. Maioritariamente artesanal, os aparelhos de linha e anzol dominam as diversas pescarias.

Aliás, nas águas em torno dos Açores a potencialidade pesqueira é condicionada pela profundidade, fortes correntes e pela natureza e irregularidade do fundo, que dificultam a utilização de artes de pesca. Assim, a pesca praticada pela frota regional é realizada na proximidade das ilhas, nos bancos de pesca e nos montes submarinos que apresentam profundidades menores do que os 1.000 metros. Para exemplificar o forte condicionalismo de potenciais locais de pesca, a área das 100 milhas marítimas em torno dos Açores é de 376.840 km2, mas apenas 7.870 km2 (2%) representam fundos até aos 600 metros.

Mesmo assim, a atividade piscatória representa uma importante fonte de rendimento para muitas famílias açorianas. Segundo dados do Serviço Regional de Estatística dos Açores, em 2016 foram descarregadas mais de 6 mil toneladas de pesca nos portos açorianos, as quais renderam mais de 25 milhões de euros.


Analisando a distribuição por ilhas, mais de metade da pesca foi descarregada na ilha de São Miguel (52%), seguindo-se no pódio Terceira (18%) e Pico (13%). Contudo, como diferentes espécies têm diferentes valores comerciais, em termos de rendimentos obtém-se uma outra distribuição percentual para o pódio: São Miguel (48%), Terceira (19%) e Faial (11%).

Esta correspondência não direta entre a quantidade de pesca descarregada e o valor do pescado mostra como "pescar muito não é pescar melhor". Aliás, fazendo uma análise ao valor médio por quilo da pesca descarregada, obtém-se que, em termos de rendimento obtido, a maior eficácia foi obtida na ilha das Flores (11 €/kg), seguindo-se Corvo (10 €/kg) e São Jorge (7 €/kg).


Atendendo agora ao caso particular do Pico, os dados estatísticos mostram claramente que foi descarregado bastante pescado na ilha montanha (terceiro em quantidade a nível Açores) mas que o seu valor médio é o mais baixo de toda a região (apenas 2 €/kg). Para atenuar este efeito, de modo a aumentar o rendimento dos pescadores, ou se tenta dirigir os esforços de pesca para outras espécies, ou se tentar valorizar o pescado mais descarregado no Pico. Em relação a esta última hipótese, há que então destacar as espécies onde a ilha montanha é líder regional na quantidade descarregada — vide tabela.

EspécieQuantidade
descarregada
no Pico (kg)
Percentagem
do total Açores
em 2016
Peixe Espada Preto33 60095%
Caranguejo Real18185%
Bonito Gaiado455 25268%
Dourado67959%
Lapa30 24648%
Patruça1 32429%

Por fim, no meio de tantas estatísticas, há uma certeza permanente: os organismos extraídos do mar dos Açores são de elevadíssima qualidade, como qualquer um pode comprovar sempre que os "pesca no prato"!

Haja saúde!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Para evitar perder a ideia do comentário, sugere-se que escreva primeiro o mesmo num editor de texto e depois copie para aqui; assim, se ocorrer algum erro (por vezes não funciona à primeira), tem sempre cópia do seu texto.

Muito obrigado por comentar neste blog! Haja saúde!