sábado, 21 de abril de 2018

Petição sobre o Aeroporto do Pico debatida em plenário da Assembleia Regional dos Açores


No passado dia 19 de abril de 2018 foi apresentada e debatida em plenário da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores a petição "Pelo aumento das condições de operacionalidade do Aeroporto da ilha do Pico" [vídeo em anexo].

Este foi um processo que começou em setembro de 2016, com o início da recolha das 2351 assinaturas — tantas quantas a altura da montanha do Pico, depois a respetiva petição foi submetida à Assembleia Regional em julho de 2017, em pleno Aeroporto da ilha do Pico, seguiu-se a discussão da mesma em sede da Comissão de Economia em novembro de 2017, numa reunião realizada na ilha montanha propositadamente para este efeito, culminando agora com este debate na casa da democracia açoriana.

Se já se sabia que os picarotos falavam a uma só voz na necessidade de melhoria do seu aeroporto, nomeadamente o aumento da pista, se ao longo do processo de tramitação da petição se ficou a saber que o "Triângulo" defende igualmente esta melhoria, agora foi a vez de se ficar a conhecer que todos os grupos e representações parlamentares da Assembleia Regional dos Açores reconhecem a necessidade de melhoria do aeroporto da ilha montanha, estando assim de acordo com os termos da petição.

Deste modo, esta petição não foi apenas uma mera formalidade, mas sim mostrou que a sociedade civil soube identificar um problema, apontar soluções e dar o seu contributo de forma construtiva, tendo os representantes políticos não só reconhecido que existe uma necessidade de melhoria do aeroporto do Pico, bem como que o aumento da pista é um investimento que terá de ser considerado num futuro próximo.

Por fim, os promotores desta petição nunca esquecerão o enorme apoio das pessoas que a assinaram e a união pública demonstrada, incluindo as vertentes empresarial e política. O sucesso alcançado por esta petição deve-se a este exemplo de cidadania construtiva por parte de todos os intervenientes. O nosso muito obrigado a todos!

Haja saúde!

Notícias relacionadas:

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Pico Zen 2018


De 26 a 30 de abril de 2018 decorre a 2.ª edição do "Pico Zen", uma iniciativa que pretende acolher, sob o mesmo abraço, práticas e palestras das diversas tendências de Yoga, além de atividades com foco em meditação e alimentação saudável. O objetivo é também facilitar o encontro com a comunidade interessada em partilhar, praticar e aprender juntos.

Serão, assim, 5 dias de atividades relacionadas com saúde e relaxamento, desfrutando da natureza e recursos naturais da ilha do Pico. Mais informações em:

Haja saúde!

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Alunas de São Roque do Pico vencem Concurso Euroscola 2018 - Círculo dos Açores


As alunas Carlota Ávila e Inês Ponte da Escola Básica e Secundária de São Roque do Pico foram as vencedoras do Concurso Euroscola 2018 - Círculo dos Açores.

O concurso "Euroscola" tem como objetivo contribuir para a formação de uma consciência europeia junto dos alunos que frequentam o ensino secundário regular e o ensino profissional sobre as possibilidades que lhes oferece a sua cidadania europeia, bem como sobre o papel que o Parlamento Europeu desempenha no processo de decisão europeu.

O tema da edição do Euroscola, para 2017/2018, é "Igualdade de Género". Estas alunas irão agora representar os Açores e fazer uma apresentação oral do seu trabalho a um júri nacional (em maio).

Haja saúde!

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Central de Energia das Ondas do Pico foi destruída


Na tarde de ontem (17 de abril de 2018), a forte ondulação destruiu parte da estrutura da Central de Energia das Ondas do Pico. Este equipamento encontrava-se encerrado desde junho de 2016, sobretudo devido aos elevados custos com o funcionamento e devido à falta de financiamento. Recentemente, o Governo Regional tinha avançado com a hipótese de reabrir a central, de forma a que a mesma tivesse um papel preponderante na investigação em torno da produção energética a partir do mar.

Recorde-se que esta infraestrutura foi construída como Central Piloto Europeia de Energia das Ondas, com o objectivo de demonstrar a viabilidade técnica da energia das ondas. Assim, esta central tornou-se uma das únicas do género em todo o mundo, tendo iniciado o seu funcionamento em 1999; o Wave Energy Center (WaveEC) tem sido o responsável pela sua gestão.

Haja saúde!

Post scriptum: Central de ondas dos Açores vai ser desmantelada 19 anos depois


[Fonte: RTP-Açores]

terça-feira, 17 de abril de 2018

Ponderando sobre juntas médicas no Pico


A realização de juntas médicas de incapacidade para o trabalho é feita por três médicos: dois são do exterior, sem conhecimento da situação clínica dos paciente, e o terceiro médico é o profissional de saúde que acompanha regularmente cada doente.

De forma a poupar recursos financeiros à Região (e, por inerência, a todos nós), as juntas médicas relativas aos pacientes do Pico e do Faial são feitas na mesma altura, de forma a aproveitar a presença dos dois médicos externos, por exemplo, provenientes da ilha de São Miguel.

Se, à partida, a ideia de poupança é bem-vinda, a verdade é que mesmo assim é possível tomar decisões que conseguem causar mais incómodos aos doentes e serem mais onerosas para a Região. Confusos? Então analise-se um caso concreto que ocorreu recentemente [ver vídeo em anexo].

Dois médicos, oriundos de São Miguel, vêm integrar as juntas médicas do Pico e do Faial. No caso da ilha montanha, 14 pacientes têm o seu caso em análise, sendo que (no conjunto) são 5 os médicos que regularmente os acompanham; no caso da ilha azul, existem 7 pacientes que vão à junta médica, acompanhados de 2 médicos. De entre as várias formas de organização destas juntas médicas, destacam-se três:
  • Opção 1 — os médicos externos chegam de avião a uma ilha, efetuam lá as respetivas juntas médicas, vão de barco para a outra ilha e finalizam o seu trabalho (eventualmente ainda regressam à primeira ilha para apanharem o avião de volta, devido a questões de poupança no bilhete de avião) — esta opção implica a compra de 2 bilhetes de barco (eventualmente mais 2 de regresso à primeira ilha, como explicado anteriormente);
  • Opção 2 — os médicos externos vão só ao Pico e os pacientes do Faial, bem como os respetivos médicos, deslocam-se à ilha montanha (ida e volta) — esta opção implica a compra de (7+2)×2 bilhetes de barco;
  • Opção 3 — os médicos externos vão só ao Faial e os pacientes do Pico, bem como os respetivos médicos, deslocam-se à ilha azul (ida e volta) — esta opção implica a compra de (14+5)×2 bilhetes de barco.
Considerando o preço de 3,60 € da viagem de ida entre Pico (Madalena) e Faial (Horta), as diferentes opções têm o seguinte custo no que respeita ao transporte marítimo:
  • Opção 1 — 7,20 € (ou, no máximo, 14,40 €);
  • Opção 2 — 64,80 €;
  • Opção 3 — 136,80 €.
Além do ponto de vista económico, a Opção 1 tem a vantagem de ser a que causa menos transtornos aos pacientes, pois permanecem sempre na sua ilha (é de salientar que alguns estão com mobilidade reduzida). Por outro lado, a Opção 3 é a mais desvantajosa, quer em termos de custos para a Região, quer em termos de incómodos com viagens para a maioria dos pacientes.

Posto isto, qual foi a opção escolhida? A Opção 3, a mais cara e que mais transtornos causa aos pacientes, nomeadamente aos picarotos!

Por outro lado, se tivesse sido escolhida a Opção 1, a Região teria poupado 122,40 € (136,8 € - 14,4 €) e os pacientes do Pico e do Faial seriam atendidos nas suas respetivas ilhas!

Em suma, e por incrível que possa parecer, um melhor serviço de saúde também pode ser mais económico!

Haja saúde!

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Pico lidera crescimento aéreo no inverno IATA 2017/2018


O Serviço Regional de Estatística dos Açores divulgou recentemente os dados relativos ao transporte aéreo que permitem fazer uma análise ao inverno IATA 2017/2018 (período compreendido entre o último domingo de outubro de 2017 e o último domingo de março de 2018).

As estatísticas mostram que continua a haver um crescimento dos passageiros aéreos de e para todas as ilhas açorianas, o qual atingiu 7,6% como valor médio (face ao período homólogo anterior).


Analisando com mais detalhe, verifica-se que quatro ilhas cresceram acima da média regional, sendo que a ilha do Pico foi a que liderou este grupo (13,1%).

A ilha montanha merece ainda uma outra nota de destaque: recordando que, ao longo de todo o ano de 2017, o crescimento dos passageiros aéreos na ilha do Pico foi o pior entre todas as ilhas (1,4%, o qual se deveu à falta de lugares disponíveis), os resultados agora alcançados, em plena época baixa, mostram que quando não existem limitações nos voos (isto é, quando a oferta se adequa à procura), o Pico cresce significativamente e atinge rapidamente a liderança regional (tal como aconteceu em 2016).

Resumindo, os números não enganam: o Pico está na moda!

Haja saúde!

Post scriptum: Esta análise foi igualmente publicada na edição n.º 41.547 do 'Diário dos Açores', de 17 de abril de 2018.

domingo, 15 de abril de 2018

Abate de bovinos no primeiro trimestre de 2018 — Pico em grande destaque


O abate de bovinos nos Açores para consumo local cresceu 5% nos primeiros três meses de 2018, comparativamente com igual período de 2017, informou recentemente a Secretaria Regional da Agricultura e Florestas.

Entre janeiro e março deste ano, à exceção do Corvo, Flores, Graciosa e Faial, todas as ilhas contribuíram para a recuperação no total de abates aprovados, com especial destaque para o Pico (30,41%), São Jorge (28,32%) e, em quantidade absoluta, São Miguel (3,74%) e Terceira (6,41%).

Prevê-se que nos próximos meses ocorra um crescimento ainda mais expressivo ao nível do abate de carne para consumo local devido às várias festas dedicadas ao Espírito Santo, tradicionais em todas as nove ilhas dos Açores.

No que diz respeito ao abate de bovino para exportação, nos primeiros três meses de 2018 é de registar também um crescimento de 9,4%, sendo que, com exceção das Flores e da Graciosa, as restantes ilhas tiveram crescimento positivos, com claro destaque para São Jorge (39,73%) e Pico (25,49%).

É, ainda, de destacar o aumento expressivo de 28,5% no abate de carne com Identificação Geográfica Protegida (IGP). [Recorde-se que é na ilha montanha que se situa a grande maioria das explorações que se dedicam à produção de carne IGP (quase 40% do todo regional).]

O total de bovinos aprovados para abate nos matadouros dos Açores cresceu 7,4% no primeiro trimestre deste ano.

[Fonte: GaCS]

Haja saúde!

sábado, 14 de abril de 2018

Entre mar e montanha

A ilha do Pico é um mundo à parte. E não só por causa da sua montanha. Percecionar e viver o seu quotidiano, repleto de leveza e de mistérios, é uma experiência que empolga quem a visita.
Assim começa uma reportagem bilíngue (em português e em inglês) sobre a ilha do Pico, patente na edição n.º 12 da revista de bordo da SATA e da Azores Airlines, a My Plan de março/abril de 2018 [reportagem na íntegra em anexo].

Haja saúde!

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Picarota chamada à Seleção Nacional de Futebol sub-16


Daniela Santos, centrocampista de 13 anos, capitã dos Iniciados do Prainha Futebol Clube (de São Roque do Pico), é uma das 25 jogadoras convocadas para o estágio de preparação que a Seleção Nacional Feminina de Futebol sub-16 irá realizar entre os dias 16 e 19 de abril de 2018, na Cidade do Futebol (em Oeiras).

Esta chamada à Seleção Nacional é fruto do trabalho desenvolvido pela Daniela ao longo do tempo. Segundo o seu pai, Elviro Manuel Bettencourt dos Santos, “ela nunca gostou de brincar com bonecas e nada dessas coisas. Ela quer é jogar à bola. Gosta de desporto. Usa os dois pés. E é capaz de jogar horas contra uma parede para aperfeiçoar o pé esquerdo”. Também segundo o seu treinador do Prainha FC, Paulo Pereira, a Daniela “é uma atleta exemplar. É a atleta mais completa da minha equipa. Como pessoa é exemplar. É a minha ajudante. É persistente e tem boas notas”.

Haja saúde!

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Andamento da substituição de cabeços no Porto do Cais do Pico (5)


Apresentam-se, em anexo, algumas fotografias (datadas de 8 de abril de 2018) relativas ao andamento da empreitada de substituição de cabeços no Porto do Cais do Pico, localizado na vila de São Roque do Pico [link para fotos mais antigas].

Recorde-se que esta obra obrigou a que a respetiva rampa ro-ro ficasse inoperacional desde o dia 3 de novembro de 2017 [link sobre o assunto], situação que levou à redução de escalas neste porto por parte da Linha Verde da Atlânticoline, pese embora a substituição de cabeços só tenha começado efetivamente a meados desse mês [link para mais informações].

Entretanto, os trabalhos de substituição de cabeços junto à rampa ro-ro já se encontram praticamente finalizados, prevendo-se para breve o regresso a este porto da maioria das escalas no Pico relativas à Linha Verde da Atlânticoline (a qual liga Pico, São Jorge e Faial).

Haja saúde!

Nota: Tal como foi feito no post "Mas que dor de cabeços!", anexa-se um contador de quanto tempo já passou desde que (e devido a esta empreitada) a rampa ro-ro do Porto do Cais do Pico ficou inoperacional.