quarta-feira, 27 de julho de 2016

Horários dos barcos durante o "Cais Agosto 2016"

Chegar ao festival "Cais Agosto" por via marítima é uma excelente forma de muitos visitantes, especialmente os das ilhas vizinhas de São Jorge e do Faial, usufruírem das maiores festas de São Roque do Pico (isto porque o recinto das festividades fica muito próximo do porto do Cais do Pico).

Todos os horários dos navios que servem a ilha do Pico encontram-se disponíveis através do separador "Barcos" deste blog. Adicionalmente, apresenta-se no final deste post um resumo das ligações da Linha Verde durante a edição de 2016 do festival "Cais Agosto", destacando-se as viagens extra noturnas que permitem que jorgenses e faialenses possam regressar às suas casas após os principais concertos:

Dia Partida
Cais do Pico
Chegada
Velas
Chegada
Horta
Quinta-feira (28 de julho)01:0001:5003:40
Sexta-feira (29 de julho)02:0002:5004:40
Sábado (30 de julho)02:0003:0005:10
Domingo (31 de julho)01:0002:0004:10
(horários referentes à madrugada do respetivo dia seguinte)

Mais informações sobre a edição deste ano deste festival podem ser encontradas no seguinte link: "Cais Agosto 2016".

Por fim, aqui fica uma nota pessoal para felicitar a Atlânticoline por estas viagens extra programadas, sobretudo as noturnas. Da mesma forma que no ano passado foram feitas críticas pela falta de ligações a São Roque do Pico durante as suas maiores festividades, tendo existido apenas uma viagem extra noturna (no sábado do "Cais Agosto 2015"), é mais do que justo reconhecer publicamente quando algo é bem feito: neste ano de 2016, a Atlânticoline serve de forma adequada e justa todos aqueles que pretendem usufruir do festival "Cais Agosto 2016", sendo este um excelente exemplo de serviço público.

Haja saúde!

terça-feira, 26 de julho de 2016

Discriminação do Pico por parte da SATA

Apresenta-se de seguia a cópia de um e-mail enviado à SATA sobre uma pequena mas significativa discriminação da ilha do Pico.

Haja saúde!

Post scriptum: No dia seguinte ao envio deste e-mail, a SATA entrou em contacto comigo informando que já foram dadas instruções para, durante o próximo mês de agosto, corrigir a situação reportada.



Exmo. Responsável pela Revista de Bordo da SATA,

Recentemente viajei a bordo de um dos aviões da SATA, tendo efetuado a rota Lisboa-Pico. Confesso desde já que tenho um enorme prazer sempre que efetuo esta viagem, pois, como picaroto, é um orgulho poder embarcar na capital portuguesa para depois aterrar no meio das vinhas património mundial da ilha montanha.

Durante a viagem em questão, aproveitei para folhear a revista de bordo da SATA, mais concretamente a edição n.º 2 da "My Plan", correspondente aos meses de julho e agosto de 2016. Foi então que me apercebi de uma situação que me deixou surpreendido pela negativa e que passo a descrever.

Na secção onde são apresentados, num mapa, os voos operados pela SATA, nomeadamente as rotas que não são interilhas, verifiquei que o Pico aparece sinalizado como um destino operado por parceiros SATA, para além de não ter uma linha a ligar esta ilha a Lisboa, tal como acontece com as restantes quatro gateways açorianas (Santa Maria, São Miguel, Terceira e Faial).

Considerando que desde o dia 30 de março de 2015 a SATA efetua viagens entre os aeroportos de Lisboa e da ilha do Pico e que apenas a SATA voa do Continente português para a ilha montanha, torna-se um pouco incompreensível a informação indicada no mapa das rotas da SATA. Adicionalmente, mesmo que o Pico fosse a gateway com menor movimento (mas que não é; aliás, deste o início do ano até agora, a ilha montanha registou, no todo regional, o maior crescimento percentual em termos de movimento de passageiros aéreos), é do meu entendimento que todas as gateways dos Açores merecem ter o mesmo tratamento no que respeita à indicação das rotas por parte da SATA.

Assim, venho por este meio alertar para esta situação, fazendo votos para que a mesma seja resolvida o mais rapidamente possível. Imagino que estas revistas de bordo, por já estarem impressas e disponíveis dentro dos aviões da SATA, apenas serão substituídas aquando da próxima edição a ser lançada em setembro. Lamento por isso que esta questão não tenha sido detetada mais cedo pelos vossos serviços, pois, durante esta época alta do turismo nos Açores, muitos visitantes ficarão com uma ideia errada dos serviços prestados pela companhia aérea açoriana - não é só o Pico que perde, mas sobretudo a SATA porque não publicita (gratuitamente) uma rota que efetua!

Com os melhores cumprimentos,

Ivo Sousa
caisdopico.pt

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Apresentação do livro "Carlos Teixeira de Melo (1928-2016): Terapêutica e Arte em Santo Amaro do Pico"


No próximo dia 26 de julho de 2016 (terça-feira), pelas 20h30, na sede da Sociedade Filarmónica Recreio Santamarense (Santo Amaro – São Roque do Pico), terá lugar a apresentação do livro "Carlos Teixeira de Melo (1928-2016): Terapêutica e Arte em Santo Amaro do Pico", da autoria de José Carlos Garcia e com edição de Maria Albina de Melo.

A obra será apresentada pela dra. Maria Isabel Ponte Fernandes, Mestre em Promoção da Saúde pela Universidade de Coimbra, sendo que terão lugar outras atividades culturais, nomeadamente exposição de miniaturas etnográficas de Carlos Teixeira de Melo e atuação musical da Filarmónica Recreio Santamarense.

Sobre a obra:
Esta monografia dedicada ao sr. Carlos Teixeira de Melo (1928-2016) é uma tentativa de documentar a história de uma vida, que nunca se conhece o suficiente para descrever a sua totalidade, embora envolvendo a veracidade dos factos e negando a inevitável tentação de endeusar.
O sr. Carlos Melo nasceu em Santo Amaro do Pico, nos Açores, sendo ao longo da vida agricultor, músico de filarmónica, serrador e carpinteiro naval, terapeuta de ossos, massagista desportivo, operador de cinema, artista de miniaturas etnográficas e homem da coisa pública. Portanto, documentá-lo é também retratar um tempo da própria freguesia, considerada o estaleiro dos Açores, a terra dos barcos.
Em linhas gerais, a vida deste santamarense foi marcada por duas fases distintas, no que diz respeito ao trabalho. A primeira é representada pelo período em que exerceu sobretudo o ofício de carpinteiro na construção naval, enquanto a segunda, após um acidente em 1966, compreende os longos anos ocupados na terapia de ossos, tratando pessoas e animais, e no artesanato artístico e decorativo, fazendo miniaturas de objetos tradicionais.
Afamado como endireita, muita gente ainda recentemente vinha parar às mãos – instrumento primordial – deste homem conhecido por Carlos Felícia, lembrando a sua avó Felícia Mariana do Coração de Jesus, que também foi um recurso terapêutico da comunidade.
Este trabalho de pesquisa resulta de uma solicitação de sua filha, sra. Maria Albina de Melo, debruçando-se sumariamente sobre a família e a diversa atividade do pai, com base na vida vivida e contada pelo próprio e ainda noutros depoimentos orais e fontes consultadas.

Sobre o autor:
José Carlos Garcia é licenciado em Sociologia pela Universidade dos Açores, na qual é colaborador do Gabinete de Estudos Etnológicos, desenvolvendo trabalhos de pesquisa na área da Etnologia. Da coleção "Etnografia dos Açores", esta é a sua segunda obra, tendo sido precedida pelo título "Os moinhos de água da Ribeira Seca - São Roque do Pico, Açores".

Haja saúde!

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Living Traditions @ São Roque do Pico


O concelho de São Roque do Pico, Capital do Turismo Rural, tem um conjunto de atividades que permitem aos turistas, mas não só, fazer uma incrível viagem às tradições do concelho nortenho da ilha montanha.

Batizado como "Living Traditions", estas atividades permitem até novembro de 2016, de segunda a sexta-feira, a partir das 10h30, conhecer várias tradições pela voz de quem sabe, nomeadamente o artesanato, a gastronomia regional, a arte da construção naval, a elaboração do queijo do pico, bem como o tema da vinha e dos vinhos. Todas as visitas são gratuitas, bastando apenas fazer uma reserva através dos seguintes contactos:

Haja saúde!


segunda-feira, 18 de julho de 2016

Envelhecimento da população na ilha do Pico, nos Açores e em Portugal


É sabido que a população portuguesa está a envelhecer, sendo que o índice de envelhecimento do país já ultrapassou os 100%, ou seja, o número de idosos (65 anos ou mais) supera o da população jovem (menos de 15 anos). Mais concretamente, segundo os dados da PORDATA de 2015, existem 143,9 idosos por cada 100 jovens em Portugal. Curiosamente, os Açores são a região mais jovem de todo o país, sendo inclusivamente a única região que apresenta um índice de envelhecimento inferior a 100%, isto é, por cada 100 jovens açorianos existem 80,5 idosos nos Açores.

Contudo, sendo o arquipélago açoriano composto por nove ilhas, a média regional pode esconder o envelhecimento que se verifica em algumas ilhas. Atente-se à tabela seguinte (baseada nos dados da PORDATA), a qual mostra o índice de envelhecimento de cada ilha dos Açores, bem como a média regional e a nacional. Adicionalmente, são também apresentados os índices de envelhecimento dos três concelhos da ilha montanha.


Os dados revelam que duas ilhas açorianas têm elevados índices de envelhecimento, sendo inclusivamente superiores à média nacional: Pico e Flores. Do lado oposto, apenas a ilha de São Miguel tem um envelhecimento inferior à média dos Açores, sendo que na região apenas três ilhas podem ser consideradas jovens (índice de envelhecimento inferior a 100%): São Miguel, Santa Maria e Terceira. Por outras palavras, a sociedade açoriana apresenta uma enorme diversidade demográfica.

No que concerne à realidade picoense, o concelho das Lajes do Pico destaca-se por ser o mais idoso, sendo que os municípios de São Roque do Pico e da Madalena apresentam um índice de envelhecimento entre a média regional e a média nacional. Aliando estes dados à evolução da população na ilha do Pico (desde 1849 a 2015), prevê-se que não só a população da ilha montanha continue a envelhecer, como também vai decrescer.

Concluindo, urge então pensar que futuro se deseja para a ilha do Pico, para a maioria das restantes ilhas dos Açores e também para Portugal: manter tudo como está, aceitando o envelhecimento e a perda gradual da população, ou tomar medidas para inverter esta situação. Mais cedo ou mais tarde, as autoridades competentes abordarão este assunto, mas também cabe a cada um de nós refletir sobre esta questão do envelhecimento da população.

Haja saúde!

sábado, 16 de julho de 2016

Regulamentação da apanha de espécies marinhas no mar dos Açores sofre atualização

A Portaria n.º 68/2016 (de 1 de julho) veio atualizar a regulamentação da apanha de espécies marinhas no mar dos Açores. Como principais alterações, registo para a criação de um regime próprio no que respeita à atividade de apanha de algas e para a clarificação de áreas de operação permitidas para o exercício da apanha.

Neste blog já foi apresentado um post sobre este assunto, no qual é possível encontrar um resumo das regras relacionadas com a apanha de espécies marinhas no mar dos Açores, tendo como referência a apanha lúdica e para consumo humano na ilha do Pico. Esse post foi agora atualizado em conformidade, podendo ser acedido clicando na imagem seguinte.

Haja saúde!

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Concurso Internacional de Fotografia "Os Pontos Mais Altos de Portugal"

Encontra-se aberto o concurso internacional de fotografia "Os Pontos Mais Altos de Portugal", o qual pretende destacar os locais montanhosos portugueses de referência.

Neste concurso da MiratecArts, os finalistas vão fazer parte de uma exposição na ilha montanha do Pico, Açores, durante o Montanha Pico Festival (janeiro 2017). Os vencedores vão também receber uma futura exposição a solo (se pretenderem) de retrospetiva dos seus trabalhos, um convite para participarem nos programas da MiratecArts e ainda a oportunidade de a sua imagem poder se tornar num Selo da República Portuguesa (ao qual está também associado um prémio pecuniário no valor de 1.200 euros e que será atribuído pelos CTT).

As condições de participação são:
  1. A participação está aberta a qualquer pessoa com 18 ou mais anos de idade.
  2. Os trabalhos devem ser entregues até ao dia 1 de novembro de 2016, através do e-mail montanhapicofestival@gmail.com (a plataforma WeTransfer pode também ser utilizada para a transferência das fotografias).
  3. As fotografias apresentadas, num número máximo de três por participante, poderão ser a cores, a preto e branco (P&B) ou sépia. Deverão também as mesmas ser originais não manipuladas, exceto para transformação de cor para P&B ou sépia, ajustes de contraste, luminosidade e reenquadramento. Não são admitidas a concurso fotografias resultantes de montagem ou manipulação de mais de uma imagem e/ou fotografia.
  4. Os trabalhos deverão ser apresentados em formato digital JPG ou JPEG, com dimensão de pelo menos 2000 pixéis na maior dimensão.
  5. As fotografias deverão ser acompanhadas de uma memória descritiva até ao máximo de 1200 caracteres (sem espaços), de acordo com o tema do concurso.

A memória descritiva e a mensagem de inscrição no concurso deverá incluir:
  1. O título de cada fotografia;
  2. A identificação do local onde foi obtida cada imagem;
  3. Nome e contacto do fotógrafo.

As fotografias dos finalistas serão impressas apenas para exposição e não serão objeto de venda. As fotografias vencedores serão também utilizadas para promoção do Montanha Pico Festival, sempre com crédito para os respetivos autores.
Mais informações podem ser encontradas em www.picofestival.com.

Prémio bónus: Selo da República Portuguesa

A participação dos vencedores, através da apresentação da fotografia para um projeto de selo, implica a transmissão total e definitiva pelo participante dos respetivos direitos de autor de carácter patrimonial a favor dos CTT. Os CTT poderão modificar total ou parcialmente os trabalhos criados, bem como integrar total ou parcialmente tais trabalhos noutras obras ou utilizá-los conjuntamente com outras criações. O participante manterá os direitos morais de autor sobre o projeto de selo apresentado, devendo ser identificado pelo nome completo ou abreviado ou pseudónimo, conforme indicar na proposta. O contrato com os CTT será definido depois do concurso.
A cada uma das três propostas vencedoras concretizadas em selo será atribuído um prémio, no valor de 1.200 euros, a entregar aos premiados pela Direção de Filatelia dos CTT.

Utilização das participações: As propostas apuradas como vencedoras poderão ser usadas pelos CTT, designadamente em selos a emitir e em futuras ações de comunicação e publicidade da Empresa e seus produtos.

Condições de exclusão: Todas as propostas apresentadas serão alvo de análise, podendo ser excluídas as que contenham elementos escritos ou figurativos atentatórios contra a moral pública, os bons costumes ou quaisquer crenças e convicções religiosas, políticas ou ideológicas, ou tenham carácter racista, xenófobo, difamatório ou injurioso contra o bom nome ou reputação de quaisquer pessoas individuais ou colectivas. Os CTT reservam o direito de exclusão de qualquer proposta sem qualquer aviso prévio.

Haja saúde!

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Passageiros aéreos no Pico crescem de forma impressionante desde o início de 2016


Segundo os dados do Serviço Regional de Estatística dos Açores relativos ao transporte aéreo, a ilha do Pico cresceu no passado mês de junho, em termos de movimento de passageiros aéreos (desembarcados e embarcados), uns impressionantes 47,3% (quando comparado com o período homólogo de 2015). Não só este valor é superior à média regional, como ainda representa o maior crescimento percentual a nível Açores!

Mas as estatísticas deste ano de 2016 permitem ainda tirar outras conclusões, inesperadas para alguns mas que comprovam o que os picarotos têm vindo a sentir nos últimos tempos: deste o início do ano até agora, a ilha montanha registou, no todo regional, o maior crescimento percentual em termos de movimento de passageiros aéreos, mais concretamente 31,6%!


Os recordes são para ser batidos, sendo que a se manter este crescimento, decerto num futuro próximo se baterá o recente recorde de aviões num só dia no aeroporto da ilha montanha. Até lá fica uma certeza: se o Pico é apelidado de ilha do futuro, a verdade é que os números mostram que no presente o Pico está na moda!

Haja saúde!

terça-feira, 12 de julho de 2016

Segundo a CNN, vinho licoroso do Pico é um dos segredos da gastronomia portuguesa


A estação de notícias norte-americana CNN publicou recentemente um artigo onde revela ao mundo os segredos da gastronomia portuguesa. Intitulado "Portugal: Europe's best-kept foodie secret" ("Portugal: o segredo 'foodie' mais bem guardado da Europa"), a cozinha nacional é desvendada numa reportagem que engloba 20 razões para experimentar os sabores portugueses.

Na secção dos vinhos, a CNN afirma que "para um país pequeno, Portugal faz uma espantosa variedade de grandes vinhos", destacando os "vinhos licorosos raros de lugares estranhos como (...) vinhas Património Mundial agarrando-se a um vulcão no meio do Atlântico na ilha do Pico".

Outros elementos da gastronomia açoriana são também referenciados nesta reportagem, nomeadamente o Queijo de São Jorge, o Cozido das Furnas e o Ananás dos Açores.

Depois dos destinos de ilhas que são magníficos, este é mais um destaque dado pela CNN ao que de melhor o Pico, os Açores e Portugal têm para oferecer ao mundo!

Haja saúde!