quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Transporte marítimo de mercadorias e dependência económica dos Açores face ao exterior

Pela natureza arquipelágica dos Açores, o transporte marítimo de mercadorias assume uma função essencial no que concerne ao abastecimento das ilhas, bem como permite a exportação de muitos dos bens produzidos nas diversas ilhas açorianas: sejam alimentos, medicamentos, materiais de construção, carros, combustíveis, etc., de tudo um pouco chega às ilhas por via marítima; por outro lado, leite e derivados, carne, vinhos, entre outros, saem para o exterior da Região Autónoma dos Açores através dos navios porta-contentores.


Torna-se assim interessante analisar algumas estatísticas relacionadas com a carga transportada por navios, de forma a conhecer melhor a realidade açoriana. Segundo os dados do Serviço Regional de Estatística dos Açores relativos aos o transporte marítimo de mercadorias, em 2015 foram descarregadas cerca de um milhão e meio de toneladas de carga nos portos comerciais açorianos, as quais se dividiram pelas diversas ilhas como se apresenta na tabela seguinte (nota: não estão disponíveis dados relativos à ilha do Corvo).


Como se pode observar, mais de metade da carga destina-se à ilha de São Miguel, sendo que a distribuição percentual entre as ilhas segue a mesma distribuição da população dos Açores, à exceção das ilhas do Pico e do Faial (a ilha montanha tem menos população mas regista mais mercadoria descarregada do que a vizinha ilha do Faial).

Estas estatísticas podem também ser analisadas de uma outra forma, de modo a tentar descobrir indiretamente outras informações sobre a economia açoriana. Assim, a tabela seguinte apresenta a relação entre a carga descarregada e a carga carregada em cada ilha.


A primeira conclusão a que se chega é que todas as ilhas dos Açores importam muitos mais bens do que exportam. A título de exemplo, mesmo a ilha de São Miguel, aquela que apresenta o rácio mais elevado, exporta menos de metade da quantidade de bens do que aqueles importados. No todo regional, a média situa-se em um pouco mais de um terço de carga exportada face à importada.

Ressalvando que o valor económico de um qualquer bem não se mede ao peso, ainda assim os valores da última tabela permitem fazer uma aproximação grosseira da dependência económica de cada ilha face ao exterior. Por outras palavras, quando maior for o valor do rácio, então provavelmente maior será a capacidade de uma determinada ilha gerar riqueza a partir dos produtos locais, de forma a sustentar os bens vindos do exterior que consome.

Analisando de novo a tabela, os dados permitem inferir que a ilha de São Miguel é aquela cujos produtos locais mais contribuem na geração de riqueza, sendo acompanhada no pódio pelas ilhas Terceira e Graciosa, respetivamente. Verifica-se também que, considerando todas as ilhas açorianas, a economia menos dependente dos produtos locais e provavelmente mais dependente de outras atividades, como turismo ou serviços, é a economia da ilha do Faial.

Em suma, este pequeno estudo teve por objetivo conhecer melhor a realidade dos Açores, de forma a que os açorianos (e não só) fiquem com a noção de qual é a dependência económica desta Região Autónoma face ao exterior. No entanto, saliente-se que os Açores têm muito valor que não é mensurável em quantidades objetivas, como a riqueza natural, a gastronomia, a simpatia das suas gentes, enfim, tudo aquilo que verdadeiramente torna o arquipélago açoriano magnífico e único em todo o mundo!

Haja saúde!

terça-feira, 23 de agosto de 2016

A lenda dos caranguejos do poço de maré do Convento de São Pedro de Alcântara

Os poços de maré existentes um pouco por toda a ilha montanha são também um símbolo da gigantesca epopeia da labuta do Homem do Pico, na transformação da paisagem desta ilha em proveito da sua própria sobrevivência. Muitas vezes, devido à inexistência de fontes, nascentes ou ribeiras, foram os poços de maré que garantiram o único acesso à água durante séculos em algumas comunidades.

Por muitas peripécias passaram certamente os nosso antepassados aquando da construção dos poços de maré, mas há um destes poços que ficará certamente para a história pela forma como foram motivados os seus obreiros: o poço de maré do Convento de São Pedro de Alcântara, situado no Cais do Pico, vila de São Roque do Pico (nas traseiras da atual Pousada de Juventude do Pico).

Este poço tem cerca de 30 metros, o que o torna num dos mais profundos de toda a ilha do Pico. Numa zona caracterizada pela existência de muita pedra, escavar até encontrar água não foi tarefa fácil, mas recorrendo a uma motivação original, lá se conseguiu atingir o objetivo pretendido. Segundo os escritos do Padre José Idalmiro Ferreira em "Esta Terra Esta Gente", reza assim a lenda:
Exaustos e desanimados pelas buscas infrutíferas de poços ditos de maré, nessa tarde, frades e leigos arrojaram pás, picaretas e enxadas, únicos apetrechos das escavações de então.
Terra, pedra e mais pedra, era o que se lhes deparava a toda a hora sem esperança alguma de verem brotar o precioso líquido. Mas, na madrugada seguinte, ao raiar de uma manhã de sol, à mistura com o gorjeio da passarada, barulho estranho é sentido nesse cerrado circundante.
Diz a tradição que o superior para encorajar os trabalhadores encarregues da abertura do poço de maré, nem mais nem menos, alta noite, dirige-se à costa e apanhando um bom número de caranguejos inseriu-os secretamente nessa escavação, como que para demonstrar a existência do seu "habitat", a água.
Nova esperança raia então nos ânimos dos operários. As escavações continuam e o precioso líquido a alguns metros de profundidade, realmente lá estava, fresco, dessalinizado, para consumo de todos.

Hoje em dia, o poço de maré do Convento de São Pedro de Alcântara integra uma propriedade privada e não está de momento acessível ao público. Contudo, os atuais proprietários estão a recuperar a zona envolvente e planeiam permitir futuramente que todos aqueles que pretendam aceder a este poço o possam fazer.

Em todo o caso, a lenda dos caranguejos do poço de maré do Convento de São Pedro de Alcântara é e será sempre uma parte integrante da história da comunidade do Cais do Pico, em particular, e da ilha montanha, em geral. Esta lenda é também uma lição de vida: com a motivação certa, tudo aquilo que parece extremamente difícil pode ser alcançado!

Haja saúde!




segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Andamento das obras na nova rotunda de São Roque do Pico (5)

Apresentam-se de seguida algumas fotografias (datadas de 21 de agosto de 2016) relativas ao andamento das obras na futura nova rotunda de São Roque do Pico, localizada na entrada nascente desta vila da ilha montanha (junto ao início da estrada transversal) [links para fotos mais antigas e para fotos aéreas]. De salientar que, nesta fase das obras, o trânsito encontra-se interrompido na zona alvo de intervenção, implicando assim que os percursos habituais de muitos automobilistas sofram desvios.

Recorde-se que esta empreitada está orçamentada em cerca de 250 mil euros e que contempla uma rotunda com caraterísticas urbanas, iluminação pública e execução de redes de abastecimento de águas, rede de rega e de drenagem pluvial (imagem do projeto também em anexo).

Haja saúde!

Post scriptum: link para fotos aéreas de 22 de agosto de 2016.





domingo, 21 de agosto de 2016

Cabeço de São Miguel Arcanjo ganha novo penteado

O lugar de São Miguel Arcanjo é muitas vezes um local de paragem para os turistas (e também os locais) poderem apreciar e fotografar uma vista privilegiada sobre a vila de São Roque do Pico - existe inclusivamente um miradouro no sopé do Cabeço de São Miguel Arcanjo, o qual oferece todas as condições para se poder contemplar a paisagem e de onde foi tirada a foto que serve de capa a este blog.

Acontece que desta vez é o próprio Cabeço de São Miguel Arcanjo que mereceu ser fotografado: no dia de ontem (20 de agosto de 2016), a natureza decidiu "pentear" este cabeço com um arco-íris, aplicando-lhe igualmente um gel brilhante (pois nas redondezas nada mais estava tão iluminado).

Aqui ficam algumas fotografias para registar este momento para a posteridade, entrando assim este arco-íris para a história tal como outro arco-íris que surgiu em São Miguel Arcanjo no ano passado.

Haja saúde!


sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Julho de 2016 foi um mês histórico para o Aeroporto do Pico


Segundo os dados do Serviço Regional de Estatística dos Açores relativos ao transporte aéreo, a ilha do Pico cresceu no passado mês de julho, em termos de movimento de passageiros aéreos (desembarcados e embarcados), uns impressionantes 63,7% (quando comparado com o período homólogo de 2015). À semelhança dos dados estatísticos de junho, não só este valor é superior à média regional, como ainda representa o maior crescimento percentual a nível Açores!

As estatísticas deste ano de 2016 mostram também que este crescimento de passageiros aéreos na ilha montanha não foi pontual, mas sim faz parte de uma tendência: deste o início do ano até agora, a ilha do Pico registou, no todo regional, o maior crescimento percentual em termos de movimento de passageiros aéreos, mais concretamente 39,8%!


Focando de novo as atenções no mês de julho de 2016, o Aeroporto da ilha do Pico recebeu ao todo 148 voos, o que dá uma média de quase 5 voos por dia (recorde-se que no mês em análise foi batido o recorde de aviões num só dia). De todos os voos, 124 foram relativos a viagens interilhas, 20 voos ligaram o Pico a Lisboa e existiram 4 ligações aéreas internacionais, mais concretamente com Amesterdão.

Em termos de quantidade de passageiros aéreos, foram através das ligações interilhas que a esmagadora maioria dos passageiros desembarcou/embarcou na ilha do Pico (74%), sendo que quase um quarto do total chegou/partiu através dos voos com Lisboa (24%) e apenas 2% dos passageiros utilizaram a rota que liga o Pico a Amesterdão.


Os dados estatísticos anteriores mostram a importância das ligações aéreas interilhas como porta de entrada/saída da ilha montanha. Esta importância certamente é extensível a todas as ilhas açorianas, sendo que neste verão de 2016 tem se observado que os aviões andam cheios. Torna-se por isso interessante analisar o número médio de passageiros por voo interilhas, não só para a ilha do Pico mas também para as restantes ilhas dos Açores.


As estatísticas revelam um dado muito curioso: considerando o todo regional em julho de 2016, a ilha do Pico apresentou o maior número de passageiros por voo interilhas! Considerando ainda que estes voos foram efetuados com aeronaves Bombardier Q200 e Q400, as quais transportam 37 e 80 passageiros, respetivamente, pode-se efetivamente afirmar que os voos andam cheios.

Em suma, a ilha do Pico não só continua a registar um crescimento impressionante no que toca aos passageiros aéreos, bem como os aviões andam cheios. Adicionalmente, e comparando com a restante realidade açoriana, não só o crescimento observado na ilha montanha é o maior dos Açores, como também os voos interilhas que servem a ilha do Pico (a esmagadora maioria de todos os voos) podem ser considerados como os mais rentáveis da região (por apresentaram o maior número de passageiros por voo).

Se é verdade que as estatísticas "valem o que valem", também é verdade que elas continuam a comprovar que a ilha do Pico está a efetuar uma transição entre "ilha do futuro" para "ilha da moda"!

Haja saúde!

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Portugal in 150 Seconds - Ilha do Pico

A série "Portugal in 150 Seconds" passou recentemente a contar com um episódio dedicado à ilha do Pico. São dois minutos e meio que, para além de publicitarem a ilha montanha, em breve estarão em exibição nos voos de longo curso da TAP PORTUGAL, em toda a frota da Rede Nacional de Expressos e nas emissões da BTV.

Aqui fica então o episódio "Portugal in 150 Seconds - Ilha do Pico" [link para algumas imagens estáticas deste episódio], o qual foi baseado numa votação aberta a toda a população, à semelhança de todos os outros episódios desta série.

Haja saúde!

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Pico: o nosso monte Olimpo

Nos dias 9 e 10 de setembro de 1887, um homem de 47 anos, com a sua comitiva, ascende ao cimo do Pico pequeno, plantado na caldeira do Pico grande, o ápice orográfico de Portugal.
Assim começa o artigo de opinião sobre a ilha montanha, da autoria de Viriato Soromenho-Marques e que integra a rubrica "Arquipélago" do jornal 'Diário de Notícias' [link para o texto completo].

Haja saúde!

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Radar da PSP no Pico - agosto 2016

Segundo a PSP, neste mês de agosto de 2016 irão ser feitas operações de controlo de velocidade por radar na ilha do Pico, nomeadamente em:

  • 18 de agosto (quinta-feira) / 08h00 / Estrada Regional - São Roque do Pico.

Haja saúde!

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Escala de navios de mercadorias no Porto do Cais do Pico - agosto 2016

A Transinsular publicou no seu site a escala para o mês de agosto de 2016 dos navios de carga que efetuam a ligação Continente - Açores (clique na imagem para conhecer esta escala).


Os navios e as datas em que os mesmos vão visitar o porto do Cais do Pico, na vila de São Roque do Pico, encontram-se indicados na tabela seguinte (clicando no nome do navio abre uma nova janela com a localização atual do mesmo).

DiaNavio
03 de agosto (quarta-feira)Furnas
12 de agosto (sexta-feira)Insular
18 de agosto (quinta-feira)Ponta do Sol
23 de agosto (terça-feira)Insular
31 de agosto (quarta-feira)Furnas

Previsão de entradas e saídas de navios - porto do Cais do Pico: Todas estas informações encontram-se igualmente disponíveis no separador "Barcos" deste blog, apresentando-se também em anexo um mapa contendo, em tempo real, as embarcações que navegam na vizinhança da ilha montanha.

Haja saúde!

domingo, 14 de agosto de 2016

300.000 visualizações


Fazendo jus ao ditado popular "não há duas sem três", o blog "Cais do Pico" pode agora celebrar as 300.000 visualizações!

O tempo, esforço e dedicação despendidos para manter uma contínua atualização de temas sobre um pouco de tudo relacionado com a ilha montanha, sendo dado destaque à zona do Cais do Pico, à vila e ao concelho de São Roque do Pico, é o resultado da motivação dada pelo crescente número de visualizações ao longo da vida deste blog: as primeiras 100.000 visualizações foram obtidas nos primeiros 20 meses; passados 8 meses foi atingida a marca das 200.000 visualizações; e agora, após somente 4 meses desde então, obteve-se o registo das 300.000 visualizações.

O meu muito obrigado a todos os visitantes do blog "Cais do Pico", especialmente àqueles que o seguem diariamente e a todas as pessoas que têm ajudado a divulgar o mesmo.

Haja saúde!