quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Pico em destaque no 'Financial Times'


O prestigiado e mundialmente conhecido jornal 'Financial Times' dirigiu-se recentemente aos seus leitores e referiu que o nebuloso arquipélago atlântico dos Açores está rapidamente a se tornar no novo destino mais cativante de Portugal!

Intitulado "The Azores rise to the fore", o artigo aborda alojamentos impressionantes, vinhos artesanais e festivais de arte vibrantes, sendo que a ilha montanha tem direito a vários destaques, como por exemplo os seguintes:

Haja saúde!

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Vista aérea dos Arcos e do Cabrito (vídeo)


Apresenta-se, de seguida, um vídeo da autoria de António Faria, o qual mostra imagens aéreas das zonas costeiras dos Arcos e do Cabrito, pertencentes à freguesia de Santa Luzia, concelho de São Roque do Pico.

De salientar que, para além das inúmeras adegas de pedra basáltica, o vídeo mostra uma vasta área a descoberto desta zona tampão da Paisagem da Cultura da Vinha da ilha do Pico; nela é possível observar uma grande quantidade de estruturas semicirculares de pedra, construídas para proteger figueiras e que são representativas do fantástico esforço por parte do Homem do Pico para conseguir extrair sustendo a partir de solo rochoso e árido.

Haja saúde!

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Ilha do Pico em grande destaque no Verão IATA 2018


O Serviço Regional de Estatística dos Açores (SREA) divulgou recentemente os dados relativos ao transporte aéreo que permitem fazer uma análise ao Verão IATA 2018, ou seja, deste abril a outubro. As estatísticas mostram que houve um crescimento dos passageiros aéreos de e para todas as ilhas açorianas, o qual atingiu 2,7% como valor médio (face ao período homólogo anterior).


Analisando com mais detalhe, verifica-se que apenas duas ilhas cresceram, em termos percentuais, na casa dos dois dígitos, nomeadamente Corvo (17,7%) e Pico (14,1%). Por outro lado, e considerando números absolutos, o pódio das ilhas que tiveram maior crescimento de passageiros movimentos vai para São Miguel (+28.131), Pico (+13.164) e Faial (+5.785).

Esta análise de tendências comprova, mais uma vez, como a ilha montanha merece uma atenção especial no que respeita ao transporte aéreo, pois quer em termos relativos, quer mesmo em absolutos, o Pico esteve em grande destaque no Verão IATA 2018. Aliás, vale a pena recordar outros indicadores relativos ao que se tem passado recentemente na ilha montanha:

Deste modo, conclui-se que o aumento da oferta aérea para a ilha montanha foi correspondido por um crescimento dos passageiros movimentados, situação que tem vindo a ser recorrente ao longo dos últimos anos e que tem de ser tida em conta no planeamento da operação aérea futura.

Resumindo, os números não enganam: o Pico está na moda!

Haja saúde!

Post scriptum: Este texto foi igualmente publicado na edição n.º 41.719 do 'Diário dos Açores', de 14 de novembro de 2018.

domingo, 11 de novembro de 2018

Escolas do Pico galardoadas com Bandeira Verde Eco-Escola 2017/2018


A Associação Bandeira Azul da Europa distinguiu recentemente várias escolas de todo o país com o galardão "Bandeira Verde Eco-Escola 2017/2018". Esta é a distinção máxima do programa internacional Eco-Escolas, o qual pretende encorajar ações e reconhecer o trabalho de qualidade desenvolvido pelas escolas, no âmbito da Educação Ambiental/Educação para o Desenvolvimento Sustentável.

Na ilha do Pico, estão de parabéns as seguintes escolas:

Concelho de São Roque do Pico
  • Escola Básica e Secundária de São Roque do Pico (18ª vez)
  • Infantário 'O Pica-Pau' (5ª vez)

Concelho da Madalena
  • Escola BI/S Cardeal Costa Nunes (18ª vez)
  • Centro de Actividades Ocupacionais para Jovens com Deficiência da Santa Casa da Misericórdia da Madalena (16ª vez)
  • Escola Profissional do Pico (14ª vez)

É de realçar o excelente trabalho efectuado tanto na Escola Básica e Secundária de São Roque do Pico como na na Escola BI/S Cardeal Costa Nunes, mostrando que são verdadeiras escolas amigas do Ambiente e recordistas na ilha do Pico, pois desde o ano lectivo de 2000/2001 que ostentam a "Bandeira Verde Eco-Escola" ininterruptamente!

Haja saúde!

sábado, 10 de novembro de 2018

476 anos do Concelho de São Roque do Pico


Pela mão de El-Rey Dom Johan III, no dia 10 de Novembro de 1542, foram escritas as seguintes palavras:
(...) Eu de meu moto proprio faço ho lugar de Sam Roque vylla e ey por bem que daquy em diante pera sempre seja e se chame vylla nova de Sam Roque (...)

Passados 476 anos, celebra-se hoje mais um aniversário da elevação de São Roque do Pico a concelho. As comemorações oficiais serão realizadas pelas 20h30 no Salão Nobre da Câmara Municipal de São Roque do Pico, num evento aberto ao público.

Em anexo encontra-se, ainda, artigos sobre a história deste concelho nortenho da ilha montanha, artigos estes que têm como base a obra ‘Uma Sociedade do Antigo Regime – São Roque do Pico: o território e as famílias’.

Haja saúde!

Post scriptum: Registos da cerimónia comemorativa dos 476 anos do Concelho de São Roque do Pico — imagens | vídeo 1 | vídeo 2 | vídeo 3 | vídeo 4 | vídeo 5 | vídeo 6 | vídeo 7 | vídeo 8 | reportagem 1 | reportagem 2.









sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Mar galga Cais do Pico


No dia de ontem, 8 de novembro de 2018, o mar ao redor da vila de São Roque do Pico atingiu uma força bastante acima do habitual, o que levou a que chegasse a algumas zonas em terra onde é mais raro.

Este fenómeno foi mais notório no Cais do Pico, local onde acabou por ser fechado ao trânsito a Rua do Cais e a Avenida do Mar, de forma a prevenir algumas situações desagradáveis e até caricatas, como as imagens seguintes demonstram.

Haja saúde!






quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Ilha do Pico continuará à espera de melhores ligações aéreas no Verão IATA 2019


Em 2018, a ilha do Pico prossegue com o crescimento turístico sustentado que se tem verificado desde a liberalização das gateways de Ponta Delgada e Terceira, apoiado em crescimentos quer nas taxas de desembarques e embarques, quer nas dormidas. Recorde-se que o Aeroporto do Pico é servido regularmente pela SATA Air Açores (rotações com Ponta Delgada e Terceira) e Azores Airlines (rotações com Lisboa). Apenas em Agosto de 2018 foram movimentados 22.331 passageiros, um recorde para o aeroporto da ilha montanha, o que representou também o maior crescimento homólogo a nível regional (20,2%).

Focando atenções nas taxas de embarque e desembarque de passageiros no Verão IATA (que vai de final de Março a final de Outubro), de acordo com dados do Serviço Regional de Estatística dos Açores (SREA), a taxa de ocupação das rotações Lisboa-Pico-Lisboa (3 rotações semanais às 2ªs, 4ªs e Sábados) variou entre os 67% em Outubro de 2017 (mínimo) e os 92% em Agosto de 2017 (máximo). Por seu turno, no Verão IATA de 2018, a taxa de ocupação variou entre os 77% (Abril, Maio e Junho) e os 93% em Agosto, sendo que de meados de Junho até final de Agosto existiu uma quarta rotação semanal. Apesar desse incremento da oferta, não se verificaram quebras significativas nas taxas de ocupação, bem pelo contrário.


Face a este incremento nas taxas de ocupação, no final de Setembro surgiram indicações (através de horários publicados no próprio website da Azores Airlines) de que a operação da Azores Airlines entre Lisboa e Pico poderia ser reforçada no próximo Verão IATA 2019, com 4 rotações semanais às 2ªs, 4ªs, 6ªs e Sábados em Abril, Maio e Outubro (mais uma rotação semanal em comparação com o Verão IATA 2018) e com 6 rotações semanais (isto é, sem rotação aos Domingos) no pico do Verão IATA, ou seja, de Junho a Setembro (em 2018 foram 4 rotações semanais de meados de Junho até ao fim de Agosto).

Legenda: 4 rotações semanais entre Abril, Maio e Outubro de 2019 (época intermédia) – horários simulados no site da Azores Airlines no final de Setembro de 2018.

Legenda: 6 rotações semanais nos meses de Junho, Julho, Agosto e Setembro (pico do Verão) – horários simulados no site da Azores Airlines no final de Setembro de 2018.

Infelizmente, essas intenções não passaram da fase de planeamento. Os últimos dados disponibilizados pela Azores Airlines apontam para uma manutenção, em 2019, das frequências de 2018, apenas com a salutar extensão da 4ª rotação semanal (às quintas-feiras) até final de Setembro. Com base nos números conhecidos, para além do reforço mencionado em Setembro, seria de esperar o reforço do número de rotações nos meses de Julho e Agosto, com o incremento de (pelo menos) mais uma rotação semanal.

Se somarmos as ligações entre Lisboa e as ilhas do Triângulo previstas pela Azores Airlines para o próximo Verão IATA, assiste-se, no entanto, a um reforço de voos para a gateway da Horta na época média (Abril, Maio, Junho e Setembro) quando a oferta de 2018 tanto para o Horta, como para o Pico, respondeu à procura. Por outro lado, a redução prevista para a Horta em Julho e Agosto e a estagnação da oferta no Pico nesses meses é motivo de grande preocupação para as ilhas do Triângulo. Não existe sequer (até ver) a preocupação de reforços pontuais, tais como Festas da Madalena, Cais Agosto, Semana do Mar e Semana dos Baleeiros (Julho e Agosto).

Assumindo um break-even na taxa de ocupação de 75% nas rotações entre Lisboa e Pico (ou seja, os custos com a operação estão cobertos a partir desta percentagem de ocupação da aeronave; este é um valor estimado, não confirmado oficialmente pela Azores Airlines), verifica-se que, atualmente, a operação apenas é deficitária em 4 meses do ano, de Novembro a Fevereiro, o que justifica a manutenção das Obrigações de Serviço Público (OSP) para as gateways não liberalizadas (Pico incluído). No entanto, são excelentes notícias não só para a Azores Airlines, mas também para as forças vivas do Pico no que ao combate da sazonalidade diz respeito, já que se verifica uma diminuição do número de voos em que a ocupação é deficitária.

Ao aumento da oferta nas estações de Verão IATA para o Pico nos últimos anos, a procura tem correspondido. Ou seja, não é pela gateway do Pico que financeiramente a Azores Airlines se irá ressentir; bem pelo contrário, há oportunidade de capitalizar mais a rota Lisboa-Pico-Lisboa no pico do Verão, haja disponibilidade operacional da Azores Airlines para o fazer.

Mas as acessibilidades à ilha do Pico não devem ser melhoradas apenas na rota Lisboa-Pico-Lisboa. Nos últimos anos, sobretudo após a liberalização da gateway de Ponta Delgada, a rota Ponta Delgada – Pico – Ponta Delgada da SATA Air Açores tem assumido uma importância extraordinária. Se do lado da Azores Airlines é mais difícil aumentar a oferta (por várias razões), o mesmo não se pode dizer da SATA Air Açores, que deve rever em alta e atempadamente os seus horários para o pico do Verão de 2019 com base no histórico dos anos anteriores. Um bom começo seria alterar o equipamento utilizado na primeira rotação diária entre Ponta Delgada e o Pico, de Q200 (de 37 lugares) para Q400 (de 80 lugares). É que entre 9 de Julho e 5 de Setembro a SATA Air Azores teve de realizar 31 rotações extra (62 voos) entre Ponta Delgada e Pico, tendo-se esta situação verificado também em anos anteriores. A referida alteração de equipamento disponibilizará mais lugares e permitirá diminuir o número de ligações extra.

As OSP tanto nos voos territoriais (entre Lisboa e Pico) e inter-ilhas (entre Ponta Delgada e Pico, bem como entre Terceira e Pico) precisam de ser revistas antes de novos contratos de concessão das rotas, uma vez que estão desfasadas da atual realidade. Sobre este assunto, mais haverá a escrever.

No entanto, é preocupante o silêncio dos deputados eleitos pela ilha do Pico na ALRAA e dos representantes das câmaras municipais da ilha montanha sobre este assunto. As poucas intervenções são na maioria das vezes pouco construtivas, inconsequentes, desfasadas no tempo (por exemplo: a altura de planear o Verão IATA 2019 é agora e não em Junho, Julho e Agosto de 2019, quando porventura surgirão a maioria das críticas e falta de lugares) e, não raras vezes, a reboque de outras iniciativas apartidárias. É necessário que os nossos representantes se sentem à mesa com a tutela e com a administração do Grupo SATA, informem-se sobre os assuntos, conheçam os detalhes, para que possam discutir de uma forma séria e construtiva o futuro das ligações aéreas para a ilha do Pico.

Bruno Rodrigues
Ivo Sousa
Luís Ferreira

https://www.facebook.com/groups/aeroportodopico/
http://www.caisdopico.pt/

Haja saúde!

Post scriptum: Este texto foi igualmente publicado na edição n.º 41.716 do 'Diário dos Açores', de 10 de novembro de 2018.

terça-feira, 6 de novembro de 2018

Número de subidas à montanha do Pico com novo recorde


Deste o início de 2018 até ao final de setembro, um total de 16.692 pessoas subiram a montanha da ilha do Pico — o ponto mais alto de Portugal.

Mesmo faltando contabilizar o último trimestre do ano, este número agora alcançado já é, só por si, superior ao total de subidas de 2017 — mais concretamente 15.510 e que constituíam o anterior recorde anual de subidas à montanha do Pico.

Assim, e ainda antes de terminar o ano, a ilha montanha já bateu mais um recorde numa das suas principais atrações turísticas.

Resumindo, os números não enganam: o Pico está na moda!

Haja saúde!

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

A impressionante capacidade de alojamento do Pico


"Foi na ilha do Pico, nos Açores, em Portugal" — com certeza que foi assim que inúmeros turistas, nas suas respetivas línguas, se referiram ao local onde passaram alguns dias de férias, sobretudo no verão. A verdade é que na ilha montanha se tem notado claramente, nos últimos tempos, a presença de cada vez mais turistas, seja na rua ou nos restaurantes, bem como nos navios de passageiros e nos aviões que servem o Pico. Isto leva muito gente a se questionar, incluindo os locais, onde é que ficam alojados tantos turistas? Além disso, o dilema é ainda maior quando se constata que na ilha montanha existe (na conceção tradicional da palavra) apenas um hotel...

De forma a desvendar este mistério, analise-se alguns dados estatísticos providenciados pelo Serviço Regional de Estatística dos Açores (SREA) e pela Direção Regional do Turismo, nomeadamente no que concerne à capacidade de alojamento — número máximo de indivíduos que os estabelecimentos podem alojar num determinado momento ou período e que na hotelaria é determinado através do número de camas, considerando como duas as camas de casal; esta capacidade é a existente ou disponível, visto que não se consideram os estabelecimentos encerrados.

Assim, somando as camas disponíveis na Hotelaria Tradicional, no Turismo em Espaço Rural e no Alojamento Local, é possível ficar a conhecer qual a capacidade de alojamento total em cada ilha açoriana [ver gráfico]. E eis que surge uma primeira revelação surpreendente: o Pico tem 11,4% da capacidade de alojamento do total regional, o que o coloca no terceiro lugar do pódio a nível Açores, apenas superado pela Terceira (16,8%) e por São Miguel (52,6%).


Outras curiosidades podem ser extraídas a partir destes dados estatísticos. Por exemplo, quem associa o número de hotéis à capacidade de alojamento de uma ilha está, de uma forma inconsciente, a ser induzido em erro no caso do Pico — elucidando um pouco mais, se for somado o número de camas da Hotelaria Tradicional das ilhas de Santa Maria e do Faial, obtém-se o dobro das camas da Hotelaria Tradicional da ilha montanha; contudo, a capacidade de alojamento total do Pico é maior do que a soma da capacidade de alojamento total de Santa Maria e do Faial! Aliás, todas as camas disponíveis no Pico equivalem àquelas disponíveis no conjunto Faial, Flores e Corvo, bem como são quase tantas quantas as disponíveis em São Jorge e no Faial quando somados, ou seja, é na ilha montanha que se encontra quase metade (47%) da capacidade de alojamento do "Triângulo"!

Então, qual o segredo para esta impressionante capacidade de alojamento do Pico? A resposta é dada pelo Alojamento Local, que na ilha montanha tem uma expressividade ímpar a nível regional: mais de dois terços das camas disponíveis no Pico (71%) provêm do Alojamento Local! Este é um valor sem qualquer paralelo nos Açores, pois apesar de outras duas ilhas também terem mais de metade das camas disponíveis associadas ao Alojamento Local, nomeadamente Flores (63%) e São Jorge (58%), estas não atingem o patamar da ilha montanha.

Ainda sobre o Alojamento Local, vale a pena salientar que este tipo de unidades está associado à capacidade empreendedora de famílias e pequenos empresários. Por esta razão, seria de esperar que houvesse algum tipo de correlação entre a população de cada ilha e as camas disponíveis no respetivo Alojamento Local. A verdade é que, mais uma vez, os números do Pico são surpreendentes: em termos absolutos, a capacidade do Alojamento Local do Pico é igual à da Terceira, ilha esta que, segundo dados da PORDATA, tem quatro vezes mais população do que a ilha montanha!

Para melhor entender o fantástico espírito empreendedor dos picarotos, considere-se a seguinte taxa de esforço: o quociente entre capacidade de alojamento total e a população residente, estatística esta que permite perceber, indiretamente, quantos bens e serviços (água, eletricidade, gás, tratamento do lixo, combustíveis, restaurantes, etc.) têm de existir a mais numa determinada ilha para servir pessoas que não são residentes [ver gráfico]. E eis que surge mais uma surpreendente revelação: a ilha do Pico consegue suportar turistas que equivalem a quase um quinto da respetiva população, taxa de esforço esta (de 19%) que é a mais elevada dos Açores!


Os números apresentados anteriormente comprovam como a capacidade de alojamento do Pico é impressionante no contexto regional, sendo que tal se deve sobretudo ao espírito empreendedor das suas gentes. Os picarotos estão a corresponder à elevadíssima procura que a ilha montanha tem registado ao longo dos últimos anos, tal como têm demonstrado, por exemplo, os recordes sucessivos no transporte aéreo de passageiros e os respetivos voos que esgotam recorrentemente — com esta análise percebe-se o porquê de esgotarem, pois o Pico pode ser a terceira ilha com maior capacidade de absorção de turistas nos Açores, mas em termos de ligações aéreas está mais abaixo na tabela...

Resumindo, os números não enganam: o Pico está na moda!

Haja saúde!

Post scriptum: Este texto foi igualmente publicado na edição n.º 41.713 do 'Diário dos Açores', de 7 de novembro de 2018.

domingo, 4 de novembro de 2018

sábado, 3 de novembro de 2018

Governo Regional avança com classificação da lancha "Espalamaca"


O Governo dos Açores determinou a abertura dos procedimentos de classificação como bem móvel de interesse público da lancha de passageiros "Espalamaca", matrícula H-177-TL, de acordo com o aviso publicado em Jornal Oficial [no dia 2 de novembro de 2018].

Com este aviso, assinado pelo Secretário Regional da Educação e Cultura, Avelino Meneses, torna-se público que se encontra afixado o edital nas câmaras municipais de S. Roque, das Lajes e da Madalena, na ilha do Pico, e da Horta, no Faial, assim como na Junta de Freguesia de Santo Amaro, no concelho de S. Roque do Pico, de forma a notificar os interessados.

Os interessados podem pronunciar-se, por escrito, no prazo de 30 dias, sobre os procedimentos de classificação agora em curso, podendo carrear para a instrução do procedimento todos os factos e elementos suscetíveis de conduzir a uma justa e rápida decisão.

[Fonte: GaCS]

Recorde-se que a "Espalamaca" encontra-se a ser restaurada nos estaleiros navais de Santo Amaro, ilha do Pico [link para fotos] — vale a pena relembrar que, durante muitos anos, grande parte das ligações marítimas entre as três ilhas do "Triângulo" (Pico, Faial e São Jorge) foram efetuadas pela "Espalamaca", uma embarcação construída em madeira, com 17 metros de comprimento e quatro de largura, e que tinha capacidade para transportar cerca de uma centena de passageiros (com bom tempo), com uma tripulação de apenas quatro homens.

Haja saúde!

Post scriptum: Ainda não há financiamento para concluir processo de recuperação da Espalamaca

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

Como chegar ao Pico partindo de Lisboa ou do Porto (e vice-versa) durante o Inverno IATA 2018/2019


Descobrir a melhor forma de chegar à ilha do Pico partindo de Lisboa ou do Porto, sem pernoita intermédia e utilizando apenas o transporte aéreo, pode ser uma tarefa árdua, sendo que o mesmo se aplica ao percurso inverso: as combinações entre companhias são várias e nem sempre é possível perceber facilmente se dá ou não para apanhar ligações low-cost.

Por esta razão, e sob a supervisão de Luís Ferreira, os administradores do grupo de Facebook "Aeroporto do Pico" elaboraram um conjunto de ficheiros que contêm as diversas alternativas de como chegar ao Pico partindo de Lisboa ou do Porto, e vice-versa, no mesmo dia e só por via aérea durante o Inverno IATA 2018/2019. Estas alternativas estão disponíveis através dos seguintes links:

 De 28 de outubro de 2018
a 30 de março de 2019
Lisboa -> Pico
Pico -> Lisboa
Porto -> Pico
Pico -> Porto

As alternativas apresentadas devem ser sempre confirmadas no respetivo site de cada companhia aérea ou numa agência de viagens, uma vez que podem ocorrer alterações pontuais nos horários.

Outras informações úteis:

Recorde-se ainda que os horários dos aviões que servem a ilha do Pico de forma regular encontram-se disponíveis no separador "Aviões" deste blog.

Haja saúde!

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

Horários Atlânticoline — Linha Verde - inverno 2018/2019


Com a chegada de novembro, o horário da Linha Verde da Atlânticoline é reajustado. Mais concretamente, o itinerário de sábado passa a ser o seguinte (durante este inverno de 2018/2019):
Esta alteração permite, assim, que a ligação aérea Lisboa/Pico/Lisboa de sábado sirva também a ilha de São Jorge.

Recorde-se que no separador "Barcos" deste blog é possível encontrar os horários dos navios de passageiros que servem a ilha do Pico de forma regular, bem como os horários dos navios de mercadorias que escalam o principal porto comercial da ilha montanha.

Haja saúde!



Rotas de passageiros:
Rotas de mercadorias:
Previsão de entradas e saídas de navios - Porto do Cais do Pico:

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Escala de navios de mercadorias no Porto do Cais do Pico — novembro 2018


A Transinsular publicou no seu site a escala para o mês de novembro de 2018 dos navios de carga que efetuam a ligação Continente - Açores (clique na tabela seguinte para conhecer esta escala).


Os navios e as datas em que os mesmos vão visitar o Porto do Cais do Pico, na vila de São Roque do Pico, encontram-se indicados na tabela seguinte (clicando no nome do navio abre uma nova janela com a localização atual do mesmo).

DiaNavio
01 de novembro (quinta-feira)Insular
07 de novembro (quarta-feira)Ponta do Sol
15 de novembro (quinta-feira)Corvo
22 de novembro (quinta-feira)Ponta do Sol
29 de novembro (quinta-feira)Insular

Previsão de entradas e saídas de navios - Porto do Cais do Pico: Todas estas informações encontram-se igualmente disponíveis no separador "Barcos" deste blog.

Haja saúde!

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

O (velhinho) Porto do Cais do Pico


No coração da vila de São Roque do Pico, sob o olhar do D. Dinis, encontra-se o "Cais Velho", aquele que foi outrora "Porto do Cais do Pico" e que durante décadas serviu de porta de entrada e saída da ilha montanha.

Atualmente, a designação "Porto do Cais do Pico" pode ter sido transferida para o principal porto comercial picoense (que lhe fica próximo e que foi construído sobre a antiga Ponta da Laje em meados do século passado), mas a história do "Cais Velho" não se perdeu; este pequeno porto é, sem qualquer dúvida, um dos principais responsáveis no reforço do simbolismo do nome atribuído ao lugar do Cais do Pico há mais de quatro séculos, lugar este que tem desempenhado, ao longo dos tempos, um papel de relevo no contexto da ilha montanha.

Graças a uma partilha do amigo Francisco Medeiros, a quem agradeço, apresenta-se, em anexo, umas memórias sobre o "Cais Velho". Adicionalmente, também se apresentam imagens e vídeos relacionados, os quais foram extraídos dos seguintes posts:

Haja saúde!



PORTO DO CAIS DO PICO

A freguesia de São Roque do Pico está dividida em três lugares: a sede do concelho no lugar do Cais o Pico, onde está sediada toda a Administração Publica; São Roque, onde se situa a Igreja Paroquial; e São Miguel Arcanjo, em local mais elevado, onde está situada a ermida do Santo do mesmo nome. Com a frente virada a Nordeste, esta freguesia é um dos locais mais próximo da ilha de São Jorge, distando cerca de 10 milhas náuticas da Vila das Velas.

Quando eu cheguei ao Cais do Pico, em 1959, o porto era uma enseada, bastante ampla, que tinha a Norte uma ponta, chamada Ponta da Laje, e ao Sul a Ponta Rasa, onde tinha um moinho de vento bastante antigo, o qual já não estava em funcionamento. A base antiga do moinho foi recentemente aproveitada e o moinho reconstruído, o que dá ao local uma paisagem pitoresca bastante agradável. Em São Miguel Arcanjo há um miradouro de onde se avista toda a freguesia de São Roque do Pico, bem como a parte da freguesia de Santo António que fica mais a Noroeste.

Ao fundo da enseada tem o Porto do Cais do Pico em forma de triângulo escaleno, com um angulo virado a Nordeste arredondado, o lado Norte acostável é mais comprido com 29 metros e tem uma escaleira. O outro lado, virado ao Sul, tem também uma escaleira. Este lado, o segundo em comprimento, com a pedra da costa formam um caneiro que dá acesso a um varadouro em pedra, muito amplo e bem construído, resistente a todos os mares e às enxurradas das chuvas.

O maior barco que atracava no Cais era o "Terra Alta", tinha 31 metros aproximadamente e o cais tinha só 29 metros. Entretanto, alteraram o cais e este já não está como era quando cheguei!

O cais foi melhorado em 1942, para uma cota mais elevada, pois com pouco mar ficava todo alagado e pela ponta arriavam os botes quando aparecia baleia. Dado à sua baixa cota aconteceu que uma pequena lancha das Velas de São Jorge, com passageiros, quando atracou veio uma vaga de mar e pô-la sobre o cais, nisto os passageiros saíram, e noutra vaga os marítimos que ali estavam empurraram-na novamente para o mar.

A chalupa "Helena", no período em que passou na pesca do atum, varou ali num dia que havia mar do Noroeste. Bateu com a roda de proa numas pedras existentes do lado de fora do Cais, começou a meter água e teve que ser varada rapidamente. Era seu mestre José Ramos da Silva.

O mar de Norte e Noroeste, de vez em quando, era dono e senhor do varadouro e obrigava a retirar todas as embarcações ali varadas. Além disso, os proprietários dos prédios vizinhos tinham que pôr tapumes nas portas do rés do chão.

Ali varavam-se dois barcos de carga e duas lanchas para passageiros, duas lanchas da baleia e perto de 20 embarcações de pesca local. Quando o mar do Norte ou do Noroeste dificultavam as operações de embarque ou desembarque de passageiros, as lanchas ficavam a pairar próximo do Cais e era pela observação da rebentação do mar na Ponta da Laje que se faziam os sinais para as embarcações atracarem ou se afastarem do cais, indicações estas dadas pelos marítimos mais antigos da localidade, com experiência de muitos anos.

Hoje o varadouro é parque de viaturas automóveis!

Conheci muitos e bons marítimos no Cais do Pico, mestres da pesca e da caça à baleia, com a face tisnada pela água salgada. Não me refiro a todos porque eram muitos, mas vou citar os das famílias mais numerosas: os Canecas, os Aldeias, os Januários e os Fulas — Gente com um pé em terra e outro no mar.

Hoje já não é assim, pois as embarcações quando chegam fora dos portos, e há vagas de mar alteroso, vão entrando sempre; às vezes embrulham-se os dois e vão parar ao mesmo sítio...

Francisco Medeiros











Whaling 1946 Cais do Pico
Posted by Paul B Da Rosa on Wednesday, March 7, 2018


Whaling. days 1946 (This video may be upsetting to some.)
Posted by Paul B Da Rosa on Sunday, March 11, 2018

domingo, 28 de outubro de 2018

Horários dos aviões na ilha do Pico — Inverno IATA 2018/2019


A mudança para a hora de inverno (último domingo de outubro) coincide também com o início da estação "Inverno IATA", onde são praticados novos horários nas ligações aéreas com a ilha do Pico.

Mais concretamente, o aeroporto da ilha montanha passa agora a ter (até 30 de março de 2019):
  • Uma ligação diária com a ilha Terceira;
  • Quatro ligações semanais com a ilha de São Miguel (domingo, segunda, quarta e sexta);
  • Duas ligações semanais com Lisboa (segunda e sábado).

Todos horários dos aviões que servem a ilha do Pico de forma regular encontram-se disponíveis no separador "Aviões" deste blog.

Haja saúde!



Voos regulares
(clique na origem/destino para mais detalhes)

Chegadas ao Pico
HorárioDom.2.ª3.ª4.ª5.ª6.ªSáb.
08h ― 11h
TER
PDL
 
 
 
PDL  
 

 

11h ― 13h     TER  
TER
TER  
 
13h ― 15h
 
LIS
 
         
15h ― 17h
PDL
 
TER

 

PDL
LIS
TER
17h — 19h

TER
 

 

 

Partidas do Pico
HorárioDom.2.ª3.ª4.ª5.ª6.ªSáb.
08h ― 11h
TER
PDL
 
 
 
PDL  
 

 

11h ― 13h
 
 
 
TER  
 

TER
TER  
13h ― 15h
 
LIS

 

 
 
15h ― 17h  
 

 

LIS
17h — 19h PDL

TER TER

  PDL
 
TER
 

Legenda: TER - Terceira | PDL - Ponta Delgada | LIS - Lisboa


sábado, 27 de outubro de 2018

Sobre a queda de uma aeronave na ilha do Pico


Em 1965 despenhou-se, na ilha montanha, um pequeno avião que fazia um voo ferry sobre o Atlântico, partindo da América em direção a leste, sendo que este acidente não consta da literatura aérea.

Contudo, e graças a um trabalho de investigação que se encontra mencionado no blog "Vista Aérea", é possível ficar-se a saber um pouco mais sobre esta queda de uma aeronave na ilha do Pico, incluindo um registo fotográfico que documenta o avião sinistrado.

Para mais informações, basta clicar no seguinte link:

SOBRE A QUEDA DE UMA AERONAVE NA ILHA DO PICO

Haja saúde!

Post scriptum: Em anexo apresenta-se recortes de um jornal da época sobre este acidente, documentação enviada por Francisco Medeiros, a quem agradeço.


quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Rali da ilha do Pico 2018 (resumo vídeo)


Decorreu nos dias 12 e 13 de outubro de 2018 o VII PICO PLAY/AUTOAÇOREANA RALI, sendo o penúltimo rali pontuável para o Campeonato Ralis dos Açores, pontuável também para o Troféu do Canal e para o Troféu de Ralis de Asfalto dos Açores.

Esta edição ficou marcada por um acidente que levou à desistência dos principais candidatos ao título regional, acabando Ruben Rodrigues / Estevão Rodrigues como a dupla vencedora do rali do Pico [tempos e classificações das várias etapas].

Um resumo vídeo deste rali, elaborado pela RTP-Açores, pode ser visionado online através do seguinte link:

VII PICO PLAY/AUTOAÇOREANA RALI

Haja saúde!

terça-feira, 23 de outubro de 2018

Campanha SOS Cagarro 2018


A Campanha SOS Cagarro 2018 já está em marcha em todas as ilhas açorianas! Esta campanha, que decorre até 15 de novembro, tem como principal objetivo envolver as populações e entidades no salvamento dos cagarros juvenis encontrados junto às estradas e na sua proximidade.

O cagarro é uma ave procelariforme migratória (ou seja, que habita o oceano aberto), sendo também a ave marinha mais abundante nos Açores. Aliás, é nas ilhas açorianas que se encontra a maior concentração mundial de cagarros (cerca de 75% da população mundial desta espécie Calonectris borealis nidifica nos Açores).

Sabia que todos os anos, por volta de março, os cagarros regressam à mesma ilha e ao mesmo ninho onde se reproduziram pela primeira vez? O parceiro é sempre o mesmo todos os anos e os rituais de reconhecimento e acasalamento são complexos. As crias nascem em maio, sendo que em outubro abandonam os ninhos rumo ao mar. Estas só regressam para se reproduzir passados 5 anos.

A conduta a seguir para o salvamento de um cagarro juvenil encontrado é:
  1. Aproximar-se lentamente da ave (de preferência por trás), para não a assustar;
  2. Com calma e segurança, cobrir o corpo do cagarro com um casaco, toalha ou manta;
  3. Sem magoar a ave, segurá-la pelo pescoço e pela cauda, de modo a envolver todo o seu corpo;
  4. Com cuidado, colocar o cagarro numa caixa de cartão (de preferência com furos para permitir a ventilação) e mantê-lo dentro da caixa durante a noite, em local tranquilo e escuro;
  5. Libertar a ave na manhã seguinte, junto ao mar, pousando-a com cuidado no chão (não se preocupe se o cagarro levar algum tempo a reagir e a voar para o mar, pois ele continuará a sua viagem quando se sentir preparado).
É possível, ainda, registar online o salvamento de um cagarro, bem como acompanhar um contador de quantos cagarros já foram salvos este ano — para isso basta aceder a http://soscagarro.azores.gov.pt

Por fim, será atribuído o galardão "Cagarro D'Ouro" às pessoas que participem de forma mais ativa e regular nesta campanha.

Este ano salve um cagarro. Faça um amigo!

Haja saúde!



Alguns recursos da Campanha SOS Cagarro [lista completa]

Canção "O Cagarro" [letra]:



Exemplo de salvamento de um cagarro

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Obras no Centro de Saúde das Lajes do Pico arrancam em breve


O projeto de investimento do Centro de Saúde das Lajes do Pico acaba de ser aprovado ao abrigo da comparticipação financeira pelo fundo estrutural FEDER, no âmbito do Programa Operacional dos Açores (PO Açores 2020).

A intervenção no Centro de Saúde das Lajes do Pico, no valor total de cerca de 850 mil euros, é o mais recente projeto homologado pela Vice-Presidência do Governo.

Trata-se de uma remodelação significativa que vai permitir criar condições de resposta adequada às necessidades de cuidados continuados, bem como as condições para a certificação de qualidade desta unidade de saúde.

O projeto prevê a reabilitação geral do internamento e a criação de um centro de fisioterapia, com um ginásio e boxes individuais, assistido com vestiários e sanitários com duche.

Serão intervencionadas também as áreas do serviço de refeições, de ambulatório em geral, incluindo um gabinete destinado à medicina dentária.

A consignação está agendada para 22 de outubro, seguindo-se a imediata transferência dos serviços para a antiga escola secundária para se proceder ao início das obras.

No âmbito do regular funcionamento do Centro de Saúde já decorreram intervenções de adaptação no edifício alternativo, que irá acomodar a generalidade dos serviços enquanto decorrerem as obras na unidade de saúde.

[Fonte: GaCS]

Haja saúde!

Post scriptum: Mudança para a antiga escola secundária em 29 de outubro de 2018.


domingo, 21 de outubro de 2018

Eis o nascimento do substituto do navio "Mestre Simão"


Apresenta-se, em anexo, um vídeo do projeto em curso da construção de navio ROPAX para a Atlânticoline, o qual irá substituir o ferry "Mestre Simão".

Recorde-se que, em janeiro de 2018, o navio "Mestre Simão" encalhou dentro da bacia do Porto da Madalena, isto quando estava prestes a atracar na ilha do Pico, ficando inutilizado e, consequentemente, foi desmantelado — link para mais informações.

Haja saúde!

sábado, 20 de outubro de 2018

Lancha "Espalamaca" está mais próxima do mar


Em breve a "Espalamaca" deverá voltar a ter motores. O objetivo da Associação Amigos do Canal é que a lancha volte a navegar já este verão.

Esta semana, foi dado mais um passo para que a histórica lancha "Espalamaca" volte a navegar. Os motores do salva-vidas cedido pela Marinha à Região foram retirados na terça-feira e estão à espera da construção dos tanques para que sejam colocados na lancha, segundo revelou ao Diário Insular o presidente da Associação Amigos do Canal, Manuel Tomás. “Os motores foram colocados numa oficina para serem revistos, porque não podem ir de imediato para a "Espalamaca". Antes, têm de ser colocados os tanques de combustível e de água”, adiantou, acrescentando que, segundo os técnicos, os motores “estão boas condições”.

Os tanques já começaram a ser construídos, mas só deverão estar concluídos dentro de um mês. Também as hélices foram enviadas para Lisboa para serem afinadas e a associação aguarda agora por um orçamento para saber quanto custará a restante operação.

No verão do ano passado, a Marinha cedeu à Região o salva-vidas “Sota-patrão António Crista”, que seria abatido e que teria dois motores que poderiam ser aproveitados pela "Espalamaca" [link para mais informações]. Só agora, no entanto, a Associação Amigos do Canal conseguiu angariar verbas para avançar com a transferência dos motores, graças a donativos anónimos.

O objetivo da associação é que a lancha regresse ao mar no próximo verão, mas para que isso seja possível precisa de angariar mais fundos. Segundo Manuel Tomás, para que o processo continue a avançar é também “indispensável” que a "Espalamaca" seja classificada como Património Marítimo Regional, porque disso depende a aquisição de equipamentos e as licenças, por exemplo. “Temos expectativas de que a nova diretora regional da Cultura resolva este assunto mais depressa”, frisou, alegando que a associação já aguarda pela classificação desde janeiro. O que se pretende não é que a lancha volte a navegar para transporte regular de passageiros, mas que tenha uma atividade turístico-cultural.

Inicialmente, estava previsto que a "Espalamaca" fosse recuperada apenas para “fins museológicos e expositivos”, mas várias vozes se levantaram contra a colocação da lancha em terra, incluindo o mestre responsável pela restauração, João Alberto Neves, que alertou para a possibilidade de ela se degradar no espaço de dois anos.

[Fonte: Diário Insular | em anexo vídeo e imagens do processo de retirada dos motores do salva-vidas “Sota-patrão António Crista”]

Recorde-se que a "Espalamaca" encontra-se a ser restaurada nos estaleiros navais de Santo Amaro, ilha do Pico [link para fotos] — vale a pena relembrar que, durante muitos anos, grande parte das ligações marítimas entre as três ilhas do "Triângulo" (Pico, Faial e São Jorge) foram efetuadas pela "Espalamaca", uma embarcação construída em madeira, com 17 metros de comprimento e quatro de largura, e que tinha capacidade para transportar cerca de uma centena de passageiros (com bom tempo), com uma tripulação de apenas quatro homens.

Haja saúde!

Post scriptum: Governo Regional avança com classificação da lancha "Espalamaca"


sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Pico representado no atlas mundial da alimentação


O projeto "Taste Atlas" [www.tasteatlas.com] propõe uma viagem visual e explicativa pelos comeres de centenas de países. São mais de mais de nove mil pratos e produtos que estão apresentados de forma interativa num mapa do mundo.

Entre todas estas iguarias emblemáticas encontra-se o Queijo do Pico, comprovando-se, assim, a qualidade a nível mundial deste produto da ilha montanha.

Destaque ainda para a presença da Carne dos Açores neste atlas, um produto que tem no Pico a grande maioria das explorações associadas, bem como registe-se a presença do Mel dos Açores, um produto com forte tradição na ilha montanha.

Outros produtos açorianos também são mencionados no "Taste Atlas": Ananás dos Açores, Maracujá dos Açores, Queijo São Jorge e Meloa de Santa Maria.

Em suma, quando alguém afirmar que um qualquer prato confecionado com produtos dos Açores é dos melhores do mundo, possivelmente não estará a exagerar!

Haja saúde!

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Azores Triangle Adventure 2018 — etapa do Pico


De 5 a 7 de outubro de 2018 teve lugar mais uma edição do Azores Triangle Adventure — um evento desportivo de trail running que se disputa em três etapas distribuídas pelas três ilhas do "Triângulo": Pico, São Jorge e Faial.

Batizada como "Da Vinha à Montanha", a primeira etapa desta prova decorreu na ilha do Pico e contou com a participação de mais de 80 atletas que fizeram um percurso desde o nível do mar até à base do ponto mais alto de Portugal (pois o mau tempo impediu a subida à montanha do Pico), tendo os atletas passado também pela paisagem património mundial pela UNESCO.

O grande vencedor da etapa da ilha montanha foi Dário Moitoso, com um tempo de 02h10m31s. Em relação às senhoras, Fanny Borgström atingiu a meta ao fim de 02h34m05s, naquele que foi o décimo quinto melhor tempo da classificação geral.

Aqui fica um resumo em vídeo do primeiro dia do Azores Triangle Adventure 2018, bem como alguns links relacionados com esta prova:

Haja saúde!

Post scriptum: link para artigo relacionado "Qual é a sua definição de paraíso?".

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Andamento do 'Muro do Jaiminho' (2)


Apresenta-se, em anexo, um conjunto de fotografias (datadas de 14 de outubro de 2018) relativas ao andamento da empreitada de intervenção num troço da Estrada Regional N.º 1–2.ª, em São Roque do Pico [link para fotos mais antigas].

Esta obra, orçada em quase 105 mil euros e que tem um prazo de execução de 120 dias (a contar deste o início de outubro de 2018), consiste na construção de um muro de suporte e berma, designada pelo Governo Regional por 'Muro do Jaiminho', de forma a permitir o alargamento da plataforma da via, numa largura suficiente para permitir a construção de uma banda de estacionamento longitudinal e um passeio.

Haja saúde!