quarta-feira, 29 de março de 2017

Análise às Obrigações de Serviço Público nas ligações aéreas entre os Açores e o Continente e os Açores e a Madeira em 2016


As ligações aéreas entre os Açores e o exterior podem ser divididas em dois casos, mais concretamente as rotas liberalizadas e as rotas sujeitas a Obrigações de Serviço Público (OSP), sendo que, desde o final de março de 2015, as OSP contemplam as seguintes rotas:
  • Funchal / Ponta Delgada / Funchal
  • Lisboa / Santa Maria / Lisboa
  • Lisboa / Horta / Lisboa
  • Lisboa / Pico / Lisboa
Atualmente, as rotas sujeitas a OSP são operadas pela Azores Airlines, a qual integra o Grupo SATA — a transportadora aérea açoriana cujo único acionista é o Governo dos Açores. Assim, não só a SATA é, de certo modo, propriedade de todos os açorianos, bem como algumas das suas atividades podem ser alvo de análise por parte da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores (ALRAA). Devido a esta última razão, e em resposta a um requerimento apresentado na ALRAA, a SATA disponibilizou várias estatísticas relacionadas com as rotas sujeitas a OSP, as quais são analisadas de seguida.

Em 2016, todas as quatro rotas sujeitas a OSP registaram mais voos e mais passageiros transportados do que em 2015, perfazendo um total de 1561 voos e 143.260 passageiros, os quais se distribuíram por rota como o gráfico seguinte mostra.


Como é possível observar, a rota Lisboa / Santa Maria / Lisboa foi a que registou menos passageiros transportados (11.897), enquanto a rota Lisboa / Horta / Lisboa foi onde ocorreu o maior movimento de passageiros aéreos (76.871). Por outro lado, e devido à utilização de diferentes tipos de aeronaves, mais voos não significou necessariamente mais passageiros transportados; a rota Funchal / Ponta Delgada / Funchal registou quase o dobro dos voos do que a rota Lisboa / Pico / Lisboa (470 vs. 252), mas esta última teve mais passageiros transportados do que a primeira (27.247 vs. 27.245).

Os dados estatísticos divulgados contemplam também o número de voos realizados, os divergidos e os cancelados. Deste modo, e para cada rota, é possível calcular qual a percentagem de voos que não chegaram ao seu destino (seja por cancelamento ou por divergência) em relação ao total de voos programados, percentagens estas que se encontram no gráfico que se apresenta de seguida.


A rota Funchal / Ponta Delgada / Funchal pode ser considerada como a mais fiável, pois foi aquela que atingiu o menor índice de não realização de viagens (0,8%), seguindo-se a rota Lisboa / Santa Maria / Lisboa (1,4%), depois a rota Lisboa / Pico / Lisboa (6,3%) e finalmente a rota Lisboa / Horta / Lisboa (9,7%). Estes dados estatísticos permitem tirar outra conclusão: como três destas rotas utilizam o aeroporto de Lisboa, e assumindo que a percentagem de cancelamentos ou divergências devidas a este aeroporto é constante para as três rotas, pode-se inferir que um voo para Santa Maria tem maiores probabilidades de não cancelar/divergir do que um voo para a ilha montanha, bem como um voo para o Pico tem maiores probabilidades de efetivamente se realizar do que um voo para ilha do Faial.

Em termos do negócio da aviação, a estatística mais importante será porventura a taxa de ocupação de ocupação, isto é, o número de passageiros transportados face aos lugares oferecidos. As estatísticas oficiais divulgadas permitem calcular esta importante métrica, sendo que se apresenta na tabela seguinte as taxas de ocupação para cada rota sujeita a OSP e para quatro situações diferentes: média anual de 2016, média do Verão IATA (de abril a outubro, onde foram transportados cerca de dois terços dos passageiros), média dos meses associados ao período do verão (de junho a setembro, onde foram transportados cerca de metade dos passageiros) e a média dos meses da época alta (julho e agosto, onde foram transportados cerca de um terço dos passageiros). Em todos os casos foi feita uma comparação com o ano de 2015 (a cor verde corresponde a um aumento da taxa de ocupação, enquanto a cor vermelha indica um decréscimo face a 2015).


A primeira conclusão a tirar é que, à exceção da rota Lisboa / Horta / Lisboa, todas as restantes aumentaram a taxa de ocupação em 2016 face a 2015. Procedendo agora a uma análise detalhada por rota, é possível concluir o seguinte:
  • Funchal / Ponta Delgada / Funchal — Esta rota apresentou uma taxa de ocupação média anual de 72%, a qual não varia muito ao longo do ano (na época alta atingiu os 75%), o que significa que a oferta ao longo do ano serviu sempre de forma igual a procura registada.
  • Lisboa / Santa Maria / Lisboa — Esta rota foi a que registou as mais baixas taxas de ocupação, sendo que estas foram inclusivamente inferiores a 50% no total anual e no período entre abril e outubro (o valor mais elevado da taxa de ocupação, 63%, foi atingido na época alta); contudo, ressalve-se que esta rota obteve um crescimento face a 2015 em todos os períodos analisados e ainda podem existir algumas situações de redução artificial, embora ligeira, da taxa de ocupação devido às escalas que alguns destes voos efetuam em Ponta Delgada (ver situação semelhante descrita para a rota Lisboa / Pico / Lisboa).
  • Lisboa / Horta / Lisboa — Considerando a média anual, esta rota foi a que registou a maior taxa de ocupação (75%), bem como registou taxas de ocupação superiores a 80% nos restantes períodos analisados; no entanto, e apesar destes valores, é de salientar que esta foi a única rota cujas taxas de ocupação diminuíram em 2016 quando se compara com o ano de 2015, o que significa que o aumento de voos não se traduziu na mesma proporção de passageiros transportados.
  • Lisboa / Pico / Lisboa — A análise à rota que liga a capital portuguesa à ilha montanha pode ser dividida em duas partes: quando existiram escalas na ilha Terceira ("voos redondos") e quando os voos foram diretos (em 2016, apenas foram diretos os voos no período entre maio a setembro). No caso dos "voos redondos", por vezes verificaram-se situações onde existiam lugares disponíveis mas que não podiam ser adquiridos pelos passageiros com destino ou origem no Pico [exemplo 1 | exemplo 2], o que reduziu artificialmente a taxa de ocupação, sobretudo no período da época baixa (em ambos os períodos analisados que incluem escalas na ilha Terceira, esta rota que serve o Pico registou taxas de ocupação entre 68% e 78%). Quando se analisa os períodos onde os voos foram sempre diretos entre Lisboa e a ilha montanha em ambos os sentidos, não só esta rota assume a liderança na taxa de ocupação de entre as rotas sujeitas a OSP (82% entre junho e setembro e 88% entre julho e agosto), bem como as estatísticas mostram que a melhor taxa de ocupação mensal obtida pela Azores Airlines numa rota sujeita a OSP foi de 92% no mês de agosto de 2016 (sendo inclusivamente a única ocorrência de todas as rotas que ultrapassou a barreira dos 90%). Recordando que o número de voos aumentou de 2015 para 2016, este resultados ainda se tornam mais surpreendentes, pois significam que o aumento de voos correspondeu a uma proporção ainda maior nos passageiros transportados!

Resumindo, os números não enganam: o Pico está na moda!

Haja saúde!

terça-feira, 28 de março de 2017

Projeto da Avenida do Moinho


Foi apresentado no passado domingo, 26 de março, o projeto da Avenida do Moinho, na freguesia da Prainha, concelho de São Roque do Pico.

O projeto, que contempla toda a requalificação da zona entre o farol e a Poça Branca, tem um custo de execução de cerca de 450 mil euros e vai criar uma ciclovia, passeio pedonal, miradouro e arranjos envolventes.

Mark Silveira, presidente da autarquia, disse que este é um compromisso assumido na altura da pré-campanha e recorda que só agora avança porque é uma obra que não é elegível para ser financiada através de fundos comunitários, ou seja, é suportada na totalidade pelo município.

O presidente informou que o projeto já se encontra em fase final de concurso público, depois vai a visto do tribunal de contas e, se tudo correr bem, no final do verão ou em setembro as obras devem avançar.

O presidente afirmou ainda que em princípio vai ter que existir uma outra fase para ligar a avenida à rua da Poça Branca, bem como a recuperação do moinho, que não está contemplado nesta fase.

[Fonte da notícia e da imagem em anexo: Rádio Pico | notícia RDP-Açores (minuto 6:56) | fotos do evento]

Haja saúde!

Post scriptum: Fotos do projeto.

segunda-feira, 27 de março de 2017

Horários Atlânticoline — primavera 2017


Os horários da operação regular da Atlânticoline vão sofrer alguns ajustes nesta primavera de 2017. Mais concretamente, verificam-se as seguintes alterações:
  • Na Linha Verde, a qual liga o "Triângulo" (Pico, São Jorge e Faial), a viagem de terça-feira passa de manhã para a tarde, bem como todas as viagens do período da tarde passam a ter saída da Horta (Faial) às 17h45;
  • No que respeita à Linha Azul, a qual liga o Pico ao Faial, a terceira viagem de sábado entre Madalena (Pico) e Horta (Faial) regressa ao horário tradicional das 14h00.
Esta situação manter-se-á até ao final de maio de 2017.

Recorde-se que no separador "Barcos" deste blog é possível encontrar os horários dos navios de passageiros que servem a ilha do Pico de forma regular e dos navios de mercadorias que escalam o principal porto comercial da ilha do Pico.

Haja saúde!



Rotas de passageiros:
Rotas de mercadorias:
Previsão de entradas e saídas de navios - Porto do Cais do Pico:


Seguimento, em tempo real, dos navios em redor da ilha do Pico.


domingo, 26 de março de 2017

Horários dos aviões na ilha do Pico — início Verão IATA 2017


A mudança para a hora de verão nos Açores (último domingo de março) coincide também com o início da estação "Verão IATA", onde são reforçadas as ligações aéreas com a ilha do Pico.

Mais concretamente, o aeroporto da ilha montanha passa agora a ter (até 31 de maio de 2017):
  • 7 ligações semanais com a ilha Terceira (um voo por dia);
  • 10 ligações semanais com a ilha de São Miguel (um voo por dia, reforçado com um segundo voo às segundas, quartas e sextas);
  • 3 ligações semanais com Lisboa (voos às segundas, quartas e sábados).

Todos horários dos aviões que servem a ilha do Pico de forma regular encontram-se disponíveis no separador "Aviões" deste blog.

Haja saúde!



Voos regulares
(clique na origem/destino para mais detalhes)

Chegadas ao Pico
HorárioDom.2.ª3.ª4.ª5.ª6.ªSáb.
08h ― 11h TER PDL
LIS

 
PDL   PDL PDL
LIS
11h ― 13h
 
  TER   TER  
 
13h ― 15h
 
           
15h ― 17h   TER   TER
LIS

 
TER  
17h — 19h PDL PDL PDL PDL PDL PDL TER

Partidas do Pico
HorárioDom.2.ª3.ª4.ª5.ª6.ªSáb.
08h ― 11h TER PDL
LIS

 
PDL   PDL PDL
LIS
11h ― 13h
 

 
TER
 
TER  
 
13h ― 15h
 
           
15h ― 17h
 
TER
 
TER
 
TER  
17h ― 19h PDL PDL PDL LIS
PDL
PDL PDL TER

Legenda: TER - Terceira | PDL - Ponta Delgada | LIS - Lisboa


sexta-feira, 24 de março de 2017

Edifícios licenciados nos Açores em 2016


De entre os vários dados divulgados pelo Serviço Regional de Estatística dos Açores, o número de edifícios licenciados permite analisar não só como vai a construção no arquipélago açoriano, mas também a dinâmica existente em cada ilha.

No todo regional, em 2016 foram licenciados 586 edifícios, o que correspondeu a um decréscimo de sete edifícios face a 2015. Analisando por ilha, em São Miguel foi onde se registou o maior número de edifícios licenciados (260 — 44% do total), seguindo-se o Pico (86 — 15% do total) e depois a Terceira (77 — 13% do total).


Torna-se também interessante comparar estes dados estatísticos com a população de cada ilha, isto é, comparar o ranking do licenciamento de edifícios dos Açores com o ranking dos habitantes em cada ilha (tendo por base os últimos censos), de forma a inferir que ilhas apresentam uma dinâmica de crescimento no que toca às novas construções.


Como é possível comprovar, cinco das nove ilhas têm uma equivalência direta entre a sua população e as novas construções. Nas restantes quatro observam-se efeitos simétricos: Pico e São Jorge exibem dinâmicas de construção superiores ao que seria de esperar, sendo o saldo positivo mais acentuado na ilha montanha, enquanto que Terceira e Faial apresentam dinâmicas de construção inferiores ao esperado, destacando-se aqui a ilha azul por apresentar o saldo mais negativo.

Resumindo, os números não enganam: o Pico está na moda!

Haja saúde!

Post scriptum: Link para outra análise sobre este mesmo assunto.

quinta-feira, 23 de março de 2017

XII Censo de Milhafres


O Censo de Milhafres é uma iniciativa de Citizen Science — Cidadania na Ciência, coordenada anualmente pela Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) desde de 2006 e que ocorre nos Açores e na Madeira. Este censo propõe a participação dos cidadãos num projeto que visa a obtenção de mais dados sobre as populações de milhafres existentes nestes arquipélagos, permitindo assim obter informações que de outra forma seriam impossíveis.

Neste ano de 2017, a SPEA volta lançar o apelo à participação neste censo que irá decorrer nos dias 25 e 26 de março. Para participar basta efetuar a sua inscrição através de uma das seguintes formas:
A inscrição serve para pré-definir a sua rota, ou seja, diga o percurso que deseja fazer e ajude a saber um pouco mais sobre a única ave de rapina diurna dos Açores — o milhafre.

Mais documentação sobre o XII Censo de Milhafres:
Adicionalmente, clique aqui para consultar o Relatório do Censo de Milhafres 2006 a 2016.

Haja saúde!

quarta-feira, 22 de março de 2017

Como chegar ao Pico partindo de Lisboa (e vice-versa) durante o Verão IATA 2017


Descobrir a melhor forma de chegar à ilha do Pico partindo de Lisboa, sem pernoita intermédia e utilizando apenas o transporte aéreo, pode ser uma tarefa árdua, sendo que o mesmo se aplica ao percurso inverso: as combinações entre companhias são várias e nem sempre é possível perceber facilmente se dá ou não para apanhar ligações low-cost.

Por esta razão, e sob a supervisão de Luís Ferreira, os administradores do grupo de Facebook "Aeroporto do Pico" elaboraram um conjunto de ficheiros que contêm as diversas alternativas de como chegar ao Pico partindo de Lisboa, ou vice-versa, no mesmo dia e só por via aérea durante o Verão IATA 2017. Estas alternativas estão disponíveis através dos seguintes links:

 26 de março a 31 de maio /
 1 de outubro a 28 de outubro 
 1 de junho a 30 de setembro 
Lisboa -> Pico
Pico -> Lisboa
Lisboa -> Pico
Pico -> Lisboa

As alternativas apresentadas devem ser sempre confirmadas no respetivo site de cada companhia aérea ou numa agência de viagens, uma vez que podem ocorrer alterações pontuais nos horários.

Outras informações úteis:

Recorde-se ainda que os horários dos aviões que servem a ilha do Pico de forma regular encontram-se disponíveis no separador "Aviões" deste blog.

Haja saúde!

terça-feira, 21 de março de 2017

Viagem no tempo: Grupo de Teatro Amador da Prainha do Norte


O YouTube consegue, de vez em quando, revelar agradáveis surpresas relacionadas com as tradições e costumes dos nossos antepassados.

O vídeo que se segue é disso exemplo: uma festa (em data desconhecida mas certamente há várias décadas atrás) na freguesia da Prainha, concelho de São Roque do Pico, onde se pode observar excertos da atuação do "Grupo de Teatro Amador da Prainha do Norte".

Vejam as imagens, porque valem mais do que "montes poderes" de palavras!

Haja saúde!

segunda-feira, 20 de março de 2017

Vinhos do Pico integram os "Grandes vinhos de Portugal"

Para além dos Prémios de Excelência, sempre extremamente difíceis de escolher (cada vez mais, aliás), a equipa de provas da Revista de Vinhos premeia mais um conjunto de grandes vinhos. Poderíamos chamar-lhes de “guarda de honra”, um lote de vinhos que enobrecem o país, as regiões de onde são oriundos e que fazem excelente figura em qualquer parte do mundo. (...) Destaque, uma vez mais para os Açores, que, depois de se estrearem nesta lista em 2015 com um representante, inscrevem desta vez seis vinhos na lista dos melhores.
É assim que se inicia a apresentação de uma lista de vinhos portugueses que se destacaram em 2016, intitulada "Grandes vinhos de Portugal, região a região", da autoria da 'Revista de Vinhos' e na qual constam os seguintes seis vinhos provenientes da ilha do Pico (os únicos representantes açorianos):
  • Czar — Licoroso Meio Doce 2009
  • Czar — Licoroso Seco 2009
  • Cacarita — Branco 2014
  • Frei Gigante — Garrafeira Branco 2011
  • Terrantez do Pico by António Maçanita — Terrantez Branco 2015
  • Verdelho o Original by António Maçanita — Verdelho Branco 2015

Recorde-se que a vinha da ilha do Pico é uma autêntica lição de vida, tendo sido, por isso, classificada pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade.

Haja saúde!

domingo, 19 de março de 2017

Whale watching inesperado a norte do Pico


A natureza deslumbrante dos Açores consegue estar em todo o lado, literalmente! Um dos mais recentes exemplos ocorreu no passado sábado, 18 de março de 2017, numa viagem da Linha Verde da Atlânticoline, a qual ligava Velas (São Jorge) a São Roque do Pico.

O que poderia ser uma simples viagem de barco, entre duas ilhas açorianas, transformou-se numa experiência de whale watching inesperada mas sempre bem-vinda [vídeo em anexo].

Por outro lado, e à semelhança do que foi relatado em agosto de 2016 neste blog, esta é mais uma prova de como o mar a norte da ilha montanha começa a registar a presença de cada vez mais baleias.

Haja saúde!

sábado, 18 de março de 2017

Pico ganha coração dos turistas

Um estudo da GMT Hospitality revela que, no que diz respeito ao alojamento, a ilha do Pico é que a mais agrada aos turistas. Nesse parâmetro específico seguem-se o Faial e São Miguel.
O relatório “Destino Açores: quem é o turista e o que diz de nós”, cujas primeiras conclusões foram apresentadas na Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), foi encomendado pelo Governo Regional àquela empresa de estudos de mercado e sondagens de opinião. Segundo José Maia, gerente, o estudo é feito com base na análise da pegada digital do turista, ou seja, das opiniões – sobre alojamento, restauração e animação – veiculadas pelos visitantes em 175 websites.

[Texto extraído do jornal 'Diário Insular' de 17 de março de 2017 | link para mais dados estatísticos providenciados por este estudo]

Resumindo, os números não enganam: o Pico está na moda!

Haja saúde!

sexta-feira, 17 de março de 2017

Central de energia das ondas do Pico pode voltar a abrir portas


A Central de Ondas do Pico, criada em 1999 e encerrada desde junho de 2016, pode voltar a abrir portas. O Governo Regional quer que a estrutura tenha um papel preponderante na investigação em torno da produção energética a partir do mar.

“Nós pretendemos reativar essa estrutura em pleno funcionamento, não numa ótica de produção de eletricidade em exclusivo, porque a tecnologia que existe atualmente ainda é bastante imatura, com custos bastante elevados, mas sim na ótica de criar as condições necessárias para desenvolver uma zona de testes de soluções emergentes nesta área e, portanto, usufruir de todo este potencial também para investigação e desenvolvimento”, fez saber Andreia Carreiro, diretora regional da Energia.

A responsável, que participou, em Lisboa, na conferência “Energias Renováveis Oceânicas: uma estratégia industrial e exportadora”, disse ainda que o Executivo está, neste momento, a procurar as soluções quer para ultrapassar o desgaste a que a infraestrutura esteve sujeita, quer para reativar a central. Em cima da mesa está ainda a possibilidade de criação de um consórcio capaz de dinamizar o lugar.

“Neste momento a Central de Energia das Ondas carece de intervenção devido ao desgaste que teve ao longo dos anos e, neste momento, nós estamos seguramente a trabalhar nesse sentido. Estamos empenhados em encontrar as melhores soluções para tentar reativá-la e pô-la em funcionamento, estamos a analisar diversos sistemas de incentivos em investigação e desenvolvimento tecnológico para assegurar essa reparação e, simultaneamente, pretendemos criar um consórcio capaz de a dinamizar com um espaço de interpretação, testes e demonstrações dessas funções tecnológicas associadas às energias renováveis oceânicas”, disse.

Segundo Andreia Carreiro, o arquipélago pode, aliás, ser um laboratório vivo para o teste de soluções aplicadas às energias renováveis. Neste momento, sustenta a responsável, esse é a relação que a Região pode ter com a produção energética a partir do mar, até porque a tecnologia necessária para o aproveitamento desse potencial ainda não está desenvolvida.

“Queremos, sim, acompanhar essa tecnologia, participar no desenvolvimento dela, criando as condições necessárias para que elas sejam testadas nos Açores. Os Açores acabam por ser um local fantástico para fazer todos os testes, toda a verificação, toda a validação em ambiente real porque, de facto, nós conseguimos oferecer um diverso espetro de cenários a que estamos sujeitos. Nós conseguimos oferecer as condições mais amenas e as condições mais adversas. Qualquer solução testada nos Açores é uma solução bem aplicada a qualquer outra zona do mundo”, adiantou.

Declarações áudio da Diretora Regional da Energia

[Texto extraído do jornal 'Diário Insular' de 8 de março de 2017 | Fonte do áudio: RTP-Açores]

Haja saúde!

quinta-feira, 16 de março de 2017

Paintball na ilha do Pico com recorde de participantes


No passado dia 12 de março de 2017, num evento aberto a toda a população, a organização "Milhafres de Tinta — Ilha do Pico" conseguiu reunir, no seu campo de jogos de São Roque do Pico, um total de 34 participantes, o que constituiu um recorde de participação num evento de paintball disputado na ilha montanha.

Haja saúde!


quarta-feira, 15 de março de 2017

Escala de navios de mercadorias no Porto do Cais do Pico — março 2017


A Transinsular publicou no seu site a escala para o mês de março de 2017 dos navios de carga que efetuam a ligação Continente - Açores (clique na imagem para conhecer esta escala).


Os navios e as datas em que os mesmos vão visitar o Porto do Cais do Pico, na vila de São Roque do Pico, encontram-se indicados na tabela seguinte (clicando no nome do navio abre uma nova janela com a localização atual do mesmo).

DiaNavio
03 de março (sexta-feira)Furnas
07 de março (terça-feira)Ponta do Sol
14 de março (terça-feira)Furnas
22 de março (quarta-feira)Ponta do Sol
30 de março (quinta-feira)Maria P

Previsão de entradas e saídas de navios - Porto do Cais do Pico: Todas estas informações encontram-se igualmente disponíveis no separador "Barcos" deste blog, apresentando-se também em anexo um mapa contendo, em tempo real, as embarcações que navegam na vizinhança da ilha montanha.

Haja saúde!

terça-feira, 14 de março de 2017

Navio "Gilberto Mariano" suspende operação entre 15 de março e 16 de abril para manutenção preventiva


Comunicado da Atlânticoline:
A Atlânticoline, S.A. informa que, a partir do próximo dia 15 de março e pelo período estimado de 4 semanas, o navio Gilberto Mariano estará fora de serviço, para ser alvo de procedimentos de manutenção preventiva associados à revisão das 10 mil horas de funcionamento das máquinas principais. Apesar do navio ainda não ter atingido a marca, a Atlânticoline entendeu antecipar a revisão, de modo a que esta não coincida com a época alta da operação.
Durante a paragem do “Gilberto Mariano”, serão asseguradas todas as viagens previstas, com algumas alterações.
Assim, durante a semana, todas as viagens da Linha Verde, que liga Faial, Pico e São Jorge, serão feitas com o ferry Mestre Simão. A viagem matinal sairá da Horta às 09h00. As viagens da tarde mantêm o seu horário, sendo que na segunda e sexta-feira serão feitas escalas adicionais na Madalena. A viagem de sábado na Linha Verde será feita com o “Cruzeiro do Canal”, enquanto que a de domingo volta a ser feita com o ferry, prevendo-se escalas adicionais na Madalena.
Na Linha Azul (Horta/Madalena), a primeira viagem do dia durante a semana será feita com o ferry e as restantes com o “Cruzeiro do Canal”, à exceção da terça-feira e quinta-feira, dias em que o ferry fará a primeira viagem do dia e também a viagem das 17h15/18h00. Todavia, às terças-feiras e a partir de 28 de março, com a alteração do horário da Linha Verde, o ferry fará as três primeiras viagens do dia no Canal enquanto que a última será assegurada pelo Cruzeiro. No sábado todas as viagens serão feitas com o ferry, assim como as três primeiras viagens do dia de domingo. Neste dia, a viagem das 17h15/18h00 será feita com o “Cruzeiro do Canal”.
A Atlânticoline lamenta quaisquer inconvenientes que esta situação possa causar aos passageiros, solicitando a sua compreensão para o facto destes procedimentos serem
absolutamente necessários para garantir todos os requisitos de segurança exigíveis neste tipo de embarcações.

Recorde-se que no separador "Barcos" deste blog é possível encontrar os horários dos navios de passageiros que servem a ilha do Pico de forma regular e dos navios de mercadorias que escalam o principal porto comercial da ilha do Pico.

Haja saúde!


segunda-feira, 13 de março de 2017

Montanha do Pico — farol do céu

A experiência de natureza nos Açores não se limita ao mar ou à terra; viajar de avião sobre território açoriano pode ser sinónimo de observação de paisagens deslumbrantes, sendo que a montanha da ilha do Pico assume naturalmente o papel de "farol do céu"!

Haja saúde!

domingo, 12 de março de 2017

NRP Viana do Castelo no Cais do Pico

O Navio Patrulha Oceânico 'Viana do Castelo' brindou ontem (sábado, 11 de março de 2017) o Porto do Cais do Pico com a sua visita. Em simultâneo, também a operar neste porto da vila de São Roque do Pico, encontrava-se o navio 'Gilberto Mariano', tal como atesta a foto em anexo.

O NRP 'Viana do Castelo' foi construído nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo e foi aumentado ao efetivo dos navios da Armada em 30 de dezembro de 2010. Foi concebido como navio não combatente, e destina-se prioritariamente a exercer funções de autoridade do Estado e a realizar tarefas de interesse público nas áreas de jurisdição ou responsabilidade Nacional — link para mais informações.

Haja saúde!

Post scriptum: Este post mereceu destaque no Facebook oficial do NRP 'Viana do Castelo'.

sexta-feira, 10 de março de 2017

Picaroto nomeado para os "Internacional Portuguese Music Awards"


O artista Zé Duarte, picaroto radicado há muitos anos em San Diego, Califórnia (EUA), está entre os nomeados da edição de 2017 dos "Internacional Portuguese Music Awards".

O seu tema 'Assim se diz', o qual pretende dar destaque a alguns dos dizeres característicos das ilhas dos arquipélagos portugueses — Açores e Madeira — concorre em três categorias: "Música Popular", "Canção do Ano" e "Escolha do Público".

É possível votar neste tema de Zé Duarte através do seguinte link (qualquer pessoa pode votar múltiplas vezes, estando limitada a um voto a cada seis horas): http://ipmaawards.com/vote/

Os "Internacional Portuguese Music Awards" são uns prémios que visam reconhecer os feitos de excelência alcançados na indústria musical por artistas com ascendência portuguesa, sendo que as várias categorias pretendem mostrar como os artistas inspiram o público em todo o mundo.

À exceção da categoria "Escolha do Público", onde o tema vencedor é escolhido por votação online do público em geral, os vencedores das restantes 12 categorias são escolhidos por um painel de profissionais da indústria musical. A cerimónia de entrega dos prémios de 2017 decorrerá no próximo dia 22 de abril em New Bedford, Massachusetts (EUA).

Finalmente, aqui fica o videoclip do tema 'Assim se diz'.

Haja saúde!

Post scriptum: O tema 'Assim se diz' é um dos finalista na categoria "Escolha do Público".




quinta-feira, 9 de março de 2017

Baleia quase desconhecida filmada junto ao Pico

© Ida Eriksson

A baleia bicuda de True (Mesoplodon mirus) raramente foi observada viva, até aos dias de hoje, e muitos cientistas passam anos a tentar registá-la sem sucesso. Um grupo de investigadores divulgou agora o primeiro vídeo submarino deste cetáceo, filmado por acaso por um grupo de estudantes junto à ilha do Pico [vídeo em anexo].

Mais informações sobre este acontecimento e sobre esta espécie podem ser encontradas através do seguinte link da Wilder:
BALEIA QUASE DESCONHECIDA FOI FILMADA AO LARGO DOS AÇORES

Haja saúde!

terça-feira, 7 de março de 2017

O turismo nos Açores em 2016


Ao longo das últimas décadas, a Região Autónoma dos Açores tem feito uma enorme aposta no setor do turismo, sobretudo no domínio do turismo de natureza. Atualmente, é notório uma maior presença, a cada ano que passa, de turistas nas ilhas açorianas. Assim, torna-se interessante analisar alguns dados estatísticos de forma a perceber como vai o turismo açoriano.

De entre os vários dados estatísticos disponíveis para analisar o turismo, tais como entradas em museus (onde o Museu do Pico foi o mais visitado dos Açores), provavelmente as dormidas são o melhor indicador relativo às pessoas que visitam as ilhas açorianas — quanto maior o número de dormidas, maior o proveito para a economia regional. Analise-se então as dormidas nos Açores no ano passado, recorrendo, para esse efeito, aos dados divulgados pelo Serviço Regional de Estatística.

Em 2016, 1.880.072 dormidas foram efetuadas nos Açores, o que representou um crescimento de 26,7% face a 2015, sendo que estas dormidas dividiram-se pela hotelaria tradicional (1.543.588 dormidas — crescimento de 21,1%), turismo em espaço rural (51.210 dormidas — crescimento de 9,4%) e alojamento local (285.274 dormidas — crescimento de 75,6%).


Como é possível observar, a esmagadora maioria das dormidas foram efetuadas em unidades hoteleiras tradicionais (82%), seguindo-se o alojamento local (15%) e por fim o turismo em espaço rural (3%). No entanto, é muito interessante observar que, ao nível de cada ilha, a distribuição por estes três tipos de alojamento é bastante díspar: enquanto que a tendência descrita anteriormente é verificada em Santa Maria, São Miguel, Terceira e Graciosa (onde, em todas estas ilhas, mais de 85% das dormidas foram efetuadas na hotelaria tradicional), a hotelaria não tradicional assume um grande peso no caso das restantes ilhas (sempre acima dos 25%), destacando-se as ilhas do Pico e das Flores, onde pelo menos metade das estadias foram efetuadas ou em espaços de turismo rural ou em unidades de alojamento local.


Comparando agora os valores absolutos por ilha e por tipo de alojamento, na hotelaria tradicional verifica-se que a ilha de São Miguel concentra mais de metade das dormidas nos Açores, seguida da Terceira e depois pelo Faial.


No caso do turismo em espaço rural, a ilha de São Miguel volta a liderar as dormidas a nível regional, mas desta vez tem apenas uma maioria relativa, seguindo-se no ranking a ilha do Pico e depois o Faial (como curiosidade, Pico e Faial juntos têm mais dormidas neste tipo de alojamento do que a ilha de São Miguel, sendo que Pico+Faial+Flores reúnem mais de metade das dormidas nos Açores no que toca ao turismo em espaço rural).


Considerando o alojamento local, a ilha de São Miguel volta a concentrar mais de metade das dormidas nos Açores, seguindo-se no pódio a ilha do Pico e depois o Faial.


Fazendo um balanço global do turismo nos Açores em 2016, as conclusões a tirar são:
  • As dormidas na hotelaria tradicional têm o peso mais preponderante a nível regional, mas o alojamento local é o que mais cresce nos Açores;
  • As ilhas do Pico e das Flores destacam-se por serem as únicas ilhas onde pelo menos metade das dormidas foram efetuadas ou em espaços de turismo rural ou em unidades de alojamento local;
  • A ilha de São Miguel lidera o ranking regional em todos os três tipos de alojamento, sendo que na hotelaria tradicional, bem como no alojamento local, concentra mais de metade das dormidas a nível Açores;
  • Considerando as dormidas em unidades hoteleiras tradicionais, Terceira e Faial são as outras duas ilhas que ocupam o segundo e terceiro lugares do ranking, respetivamente;
  • Tendo em atenção as dormidas em espaços de turismo rural ou em unidades de alojamento local, Pico e Faial são os destinos preferidos, respetivamente, após a ilha de São Miguel.

Por fim, aqui fica uma análise particular ao caso da ilha montanha: tal como as estatísticas comprovam, o Pico pode ser considerado como o segundo destino mais procurado dos Açores por todas as pessoas que preferem ficar longe de hotéis, sendo por isso válida a aposta em espaços de turismo rural ou em unidades de alojamento local, onde já se registam metade das dormidas na ilha montanha e com tendência de subida (pois era de 40% em 2015 e em 2016 atingiu os 50%).

Resumindo, os números não enganam: o Pico está na moda!

Haja saúde!

Post scriptum: Esta análise foi igualmente publicada na edição n.º 41.219 do 'Diário dos Açores', de 10 de março de 2017. Adicionalmente, os dados estatísticos aqui publicados foram mencionados na edição n.º 1.213 do semanário 'Ilha Maior', de 17 de março de 2017. Link para uma outra análise ao caso particular da ilha do Pico no que respeita ao alojamento local em 2016.

segunda-feira, 6 de março de 2017

Descobertos no Pico escaravelhos únicos em todo o mundo

Cientistas da Universidade dos Açores e de outras academias publicaram recentemente um artigo científico intitulado "Cryptic diversity in the Azorean beetle genus Tarphius Erichson, 1845 (Coleoptera: Zopheridae): An integrative taxonomic approach with description of four new species", no qual descrevem quatro novas espécies de escaravelhos endémicos dos Açores.

Estes novos organismos pertencem ao grupo Tarphius e são muito interessantes, porque vivem associados às florestas primitivas, a Laurissilva da Macaronésia, em árvores endémicas, onde se alimentam de fungos – cogumelos e outros.

Em relação às quatro novas espécies agora descobertas, e que se juntam a oito espécies de escaravelhos previamente conhecidas nos Açores, a sua distribuição por ilhas é a seguinte:
  • Tarphius gabrielae sp. nov. (Pico);
  • Tarphius furtadoi sp. nov. (Pico, São Jorge & Faial);
  • Tarphius floresensis sp. nov. (Flores);
  • Tarphius relictus sp. nov. (Terceira).

Por fim, aqui ficam umas imagens dos novos escaravelhos encontrados no Pico, os quais são comprovadamente únicos em todo o mundo!

Haja saúde!

domingo, 5 de março de 2017

sábado, 4 de março de 2017

Meteroro "explosivo" sobrevoa céus da ilha do Pico

No passado dia 27 de fevereiro de 2017, segunda-feira de Carnaval, os fenómenos da natureza não se ficaram pelo mar a invadir a terra: por volta das 20h, um meteoro bólide ("fireball") cruzou os céus da ilha do Pico na direção este-oeste.

Um meteoro bólide é um meteoro de dimensões apreciáveis que, na forma de um globo inflamado e brilhante, atravessa velozmente a atmosfera terrestre, podendo fazer ruído, deixar rastro luminoso e mesmo explodir. Neste caso, o meteoro ter-se-á desintegrado sobre o mar, havendo poucas possibilidade de serem encontrados meteoritos (nome dado aos meteoros que atingem a superfície terrestre).

Felizmente, e para satisfazer a curiosidade de todos aqueles que não puderam observar este fenómeno, foi captada uma imagem deste meteoro e que se apresenta de seguida.

Haja saúde!

© Jorge Santos (foto tirada a partir da ilha de São Jorge)

sexta-feira, 3 de março de 2017

Campeonato de Futebol dos Açores 2016/2017 — 2.ª Fase


No próximo domingo, dia 5 de março de 2017, tem início a 2.ª fase do Campeonato de Futebol dos Açores 2016/2017. Esta fase é composta por dois grupos, "A" e "B", sendo que no primeiro as equipas lutam pela promoção ao escalão superior, enquanto que no segundo os clubes lutam pela manutenção.

A representar a ilha do Pico encontra-se o Prainha Futebol Clube no grupo "A", clube sediado na freguesia da Prainha e que joga no campo de jogos do Vitória FC, situado na vila de São Roque do Pico.

De seguida apresenta-se o calendário desta 2.ª fase do Campeonato de Futebol dos Açores 2016/2017.

Haja saúde!

© Diário Insular

© Diário Insular

quinta-feira, 2 de março de 2017

Agenda Cultural de São Roque do Pico — março 2017



A lista das mais diversas atividades que acontecem em São Roque do Pico, no mês de março de 2017, encontra-se disponível na Agenda Cultural de São Roque do Pico, a qual se apresenta de seguida.


No fim deste post apresentam-se, por ordem cronológica, os cartazes de alguns dos eventos que terão lugar neste mês de março.

As datas de alguns dos eventos que ocorrem nas redondezas também podem ser encontradas na mini agenda "Acontece por aí" (versão desktop: no topo da página, à direta; versão mobile: no fim da página, em baixo).

Haja saúde!

[Nota: este post irá sendo atualizado à medida que forem surgindo mais cartazes, sendo também adicionados links para fotos/vídeos disponibilizados após os eventos (última atualização: 31 de março de 2017). Também se encontra disponível online, na página oficial da Câmara Municipal de São Roque do Pico, uma agenda para diversos eventos que ocorrem neste concelho — link.]



Formação de Atendimento Turístico e de Planeamento da Informação Turística (Salão Nobre da Câmara Municipal de São Roque do Pico, 2 a 4 de março):
Festa na Discoteca Skipper (4 de março):
137.º Aniversário da Filarmónica União Artista de São Roque do Pico (5 de março):
Dia da Mulher (8 de março @ Santa Casa da Misericórdia de São Roque do Pico):
Dia Mundial da Árvore e da Floresta (21 de março @ Escola BS de São Roque do Pico):

Palestra "Alunos Incríveis, Pais Incríveis" (23 de março @ Escola BS de São Roque do Pico):

Palestra "Como motivar os nossos filhos para o sucesso" (24 de março @ Escola BS de São Roque do Pico):
Lançamento do livro "Guerra Colonial" (25 de março @ Salão Nobre da Câmara Municipal de São Roque do Pico):

Apresentação do projeto da Avenida do Moinho (26 de março @ Sede da Sociedade Recreativa União Prainhense):