quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Carta aberta aos membros do Conselho de Administração da Atlânticoline sobre as escalas marítimas em São Roque do Pico

Excelentíssimos membros do Conselho de Administração da Atlânticoline,

O meu nome é Ivo Sousa, tenho 30 anos e sou natural da vila de São Roque do Pico. Desde 2002 que os estudos universitários, no início, e agora a minha atividade profissional levam-me a passar a maior parte do ano longe da ilha montanha. Contudo, não só sempre que me é possível estou de visita às minhas origens, mas também tento acompanhar à distância o que se passa na ilha do Pico.

Uma prova desta ligação fiel à minha terra natal foi a criação do blog "caisdopico.blogspot.pt", no início de 2014, onde disponibilizo, entre outras coisas, os horários dos barcos que servem regularmente a ilha do Pico. De forma a manter atualizada esta informação, a qual é a mais visualizada do meu blog, consulto regularmente diversas fontes, incluindo os horários e comunicados disponiblizados no website da Atlânticoline. Por outro lado, também sigo diversos navios através do website Vessel Finder, como forma de verificar na prática se disponho dos horários corretos.

Acontece que, sendo eu um investigador de profissão que passa o dia a correlacionar dados de forma a descobrir padrões, tenho sentido que muitas escalas em São Roque do Pico são canceladas de uma forma que nem eu nem a população em geral consegue compreender. Passo a apresentar factos para sustentar esta minha afirmação.

Em primeiro lugar, quero declarar que não sou especialista em navegação marítima nem afins. Apenas possuo carta de Patrão Local e socorro-me da minha experiência: cresci numa casa à beira-mar, no lugar do Cais do Pico, onde tinha como vizinho mais próximo a Delegação Marítima de São Roque do Pico; assim, habituei-me durante todos os dias da minha infância e juventude a olhar para o mar, para o porto do Cais do Pico e para o movimento de barcos na respetiva baía; atualmente, essa é uma das imagens que capto diariamente com o meu olhar sempre que regresso à minha terra natal.

Em segundo lugar, alguns dos factos reportam-se ao tempo em que a Atlânticoline ainda não incorporava a Transmaçor. Contudo, os mestres, restante tripulação e até alguns membros da administração que agora estão ao serviço da Atlânticoline são os mesmos que pertenciam à Transmaçor, sendo por isso válidas as considerações seguintes.

Entre os diversos cancelamentos registados no porto do Cais do Pico, destaco à partida aqueles relacionados com a operação simultânea de navios naquele porto. Eu observei várias vezes navios da Atlânticoline, nomeadamente o Cruzeiro do Canal, o Cruzeiro das Ilhas e o Gilberto Mariano, a operarem em simultâneo com navios de carga em São Roque do Pico. Ressalvando que a segurança marítima está em primeiro lugar, compreendo em parte que se cancele as operações da Atlânticoline quando um navio porta-contentores está atracado, apesar de no passado ter observado essa operação simultânea [ver foto]. Mesmo assim, gostaria de conhecer as razões que levaram à alteração deste procedimento e ao cancelamento das referidas escalas.

No entanto, não compreendo o cancelamento de algumas escalas em São Roque do Pico, mais concretamente da Linha Verde, quando opera um navio da empresa Transportes Marítimos Graciosenses (TMG) no porto do Cais do Pico: no inverno passado eram canceladas as escalas da Atlânticoline alegando a presença destes navios, quando estes navios da TMG deixam espaço suficiente para a operação da Atlânticoline e quando não existe cancelamento no porto de Velas numa situação idêntica, sendo que este último porto tem o mesmo comprimento de cais acostável do que o porto do Cais do Pico [mais informações aqui]. Ainda para mais, e durante o verão passado, estas escalas da Linha Verde em São Roque do Pico não foram canceladas quando também estiveram presentes navios da TMG [ver exemplo]. Eis que acaba o verão e a Atlânticoline volta a cancelar escalas (em cima da hora e em cima do porto, literalmente) quando se verifica esta situação dos TMG, levando muitos passageiros à incompreensão sobre o serviço prestado [mais sobre este assunto].

Também têm havido outros cancelamentos de escalas em São Roque do Pico que carecem de uma justificação mais aprofundada: os comunicados oficiais começam pela frase "Devido às condições meteorológicas que se fazem sentir (...)" mas quem observa a baía do Cais do Pico em alguns desses dias de cancelamentos nota que a mesma quase se assemelha a uma piscina [consultar vários exemplos]. Algo não bate certo para o comum dos passageiros, sendo que estes merecem uma justificação mais clara por parte da Atlânticoline.

Por fim, atente-se ao cancelamento de escalas em São Roque do Pico ocorrido no dia de ontem, 27 de outubro de 2015, o qual consegue reunir o melhor das situações acima descritas. Devido ao fecho da barra da Madalena a toda a navegação (e que só veio a reabrir bastante mais tarde), a Atlânticoline decidiu e bem, a meu ver, procurar uma solução que permitisse ligar por via marítima as ilhas do Pico e do Faial. Acontece que a escolha de um porto alternativo na ilha montanha recaiu sobre o porto das Ribeiras, tendo a Atlânticoline realizado viagens extraordinárias. Levantou-se em mim uma questão: porque não pôde ser utilizado o porto do Cais do Pico? Vejamos algumas vantagens:
  • A viagem Horta - Ribeiras durou cerca de 2h30 no Cruzeiro das Ilhas; para São Roque do Pico (e saíndo da Horta) demoraria 1h30 no mesmo barco, ou seja, poupava-se uma hora de mar aos passageiros (só ida) e duas horas à tripulação (ida e volta), caso a Atlânticoline tivesse escalado o porto do Cais do Pico.
  • A Atlânticoline também pouparia uma quantidade significativa de combustível se realizasse uma viagem mais curta (seriam 3h de navegação via São Roque do Pico, face às 5h navegadas entre Horta - Ribeiras - Horta).
Então e qual foi a justificação para preterir este porto da costa norte da ilha do Pico?
  • O comunicado oficial referia a famosa frase "(...) devido às condições meteorológicas que se fazem sentir (...)", a qual faria todo o sentido se o canal Pico - São Jorge estivesse intransitável, segundo as boas práticas de segurança, pois o porto em São Roque do Pico estava apto a receber navios, tal como se verá seguidamente; acontece que a Atlânticoline realizou uma viagem Horta - Velas - Horta, provando que o problema não estava no canal (refira-se ainda que o cancelamento da escala da Linha Verde em São Roque do Pico inviabilizou também a ligação entre as ilhas do Pico e de São Jorge).
  • O porto do Cais do Pico recebeu no mesmo dia a escala do navio de carga Ponta da Barca, propriedade da TMG, o qual esteve cerca de 9h atracado em São Roque do Pico, calma e serenamente a efetuar o seu serviço, provando que este porto tinha reunidas as condições necessárias e suficientes para receber navios [fotografia desta escala no final deste post].
Assim, foi notório que este cancelamento não teve uma justificação sólida, gerando mais uma vez incompreensão junto da população.

Posto isto, o que solicito à Atlânticoline é que passe a justificar detalhamente porque cancela as escalas em São Roque do Pico ou em qualquer outro porto, que condições não estão reunidas para o sucesso de uma escala e que deveriam estar, bem como diligenciar esforços junto da empresa Portos dos Açores para que haja uma boa comunicação e articulação de meios humanos e materiais, de forma a retomar operações em simultâneo no porto do Cais do Pico.

A Atlânticoline termina os seus comunicados de cancelamento dizendo "A Atlânticoline agradece a compreensão dos passageiros, lamentando quaisquer transtornos que esta alteração possa causar." Eu termino dizendo que se as medidas sugeridas anteriormente forem postas em prática, não só eu mas também a maioria dos passageiros marítimos compreenderão e apoiarão as decisões da Atlânticoline. Esta é uma empresa pública, logo de todos nós, e é cimentando confiança nela por parte da população que se alcança o sucesso pleno, desejo máximo de qualquer administração empresarial.

Haja saúde!

Post scriptum: Esta carta aberta foi enviada para o correio eletrónico da Atlânticoline, com cópia para o correio eletrónico da Secretaria Regional do Turismo e Transportes, a qual tem a tutela desta empresa pública de transportes marítimos.

Navio "Ponta da Barca" a operar no porto do Cais do Pico em 27/10/2015 (esteve atracado cerca de 9h).

14 comentários:

  1. Muito bem. E se não obtiver resposta, é continuar a enviar até obter.
    Têm de começar a ter respeito por todos nós!

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito do que li! quer dar meus parabéns ao Ivo Sousa pela escrita bem simples e clara e espero que consiga uma resposta e que esta seja publicada aqui! abrç

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo seu comentário. Espero obter uma resposta e, se tal acontecer, a mesma será divulgada neste blog. Haja saúde!

      Eliminar
  3. Concordo plenamente com tudo o que dizes e gostaria de conversar pessoalmente contigo numa próxima deslocação à nossa ilha, pois a gestão que criticas e bem, é má para os particulares mas também muito má para as empresas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo seu comentário. Terei todo o gosto em conversar consigo pessoalmente quando estiver no Pico; até lá, se me quiser contactar de forma mais direta pode sempre usar o e-mail caisdopico@outlook.pt
      Haja saúde!

      Eliminar
  4. Bem, por acaso estava para fazer uma reclamação por escrito das incidências do dia de ontem mas alguém antecipou-se (e bem Sr. Ivo Sousa - blog Cais do Pico), porque a situação que descreve afeta-me a mim e a vários colegas/alunos meus semanalmente). Recomendo é que, e por experiência própria, se quer que o seu artigo tenha o impacto desejado, que o envie para os jornais de publicação escrita na ilha do Pico (Ilha Maior, Jornal do Pico).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo seu comentário. Agradeço também a sugestão e revelo, desde já, que este post já teve quase 300 visualização até esta hora (13:17).
      Haja saúde!

      Eliminar
  5. Aí que azia.... dói não dói?, também posso dar algumas razões por que é que o cruzeiro poderia vir uma vez por semana ou duas ao porto das Ribeiras, mas eu ainda estou para saber como é que construiriam um porto virado a norte que que já levou mais intervenções que dava para ampliar o porto das Ribeiras uns 20m ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo seu comentário. Quero salientar que a minha principal crítica à gestão de escalas por parte da Atlânticoline não foi por ontem o Cruzeiro das Ilhas ter ido ao porto das Ribeiras, mas sim a falta de justificação detalhada por não ter ido a São Roque do Pico (situação que tem se repetido em situações onde parece não haver justificação para tal, como é exemplo a do dia 7 de setembro passado - link para este cancelamento). Aliás, o porto das Ribeiras provou ser um excelente porto ao cumprir a missão que lhe foi designada e, como entendo ser importante para a ilha do Pico ter estruturas que sirvam as pessoas quando estas necessitam delas, ainda bem que temos à disposição o porto das Ribeiras.
      Haja saúde!

      Eliminar
  6. Gostei e concordo que quando as coisas estão mal, devemos reclamar, de forma clara e concisa com fizeste. É uma reacção e um acto de cidadania. Parabéns.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo seu comentário. Haja saúde!

      Eliminar
  7. Parabéns Ivo pelas sábias palavras. Conseguiste tocar em todos os pontos que estão a incomodar os passageiros. Bem haja.

    ResponderEliminar

Para evitar perder a ideia do comentário, sugere-se que escreva primeiro o mesmo num editor de texto e depois copie para aqui; assim, se ocorrer algum erro (por vezes não funciona à primeira), tem sempre cópia do seu texto.

Muito obrigado por comentar neste blog! Haja saúde!